Síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica: Prudente registra 1 caso

SIM-P acomete desde bebês até jovens de 19 anos e está associada, segundo autoridades de saúde, ao contágio com a Covid-19

Saúde & Bem Estar - GABRIEL BUOSI

Data 10/02/2021
Horário 08:15
Foto: Freepik 
Pais precisam ficar em alerta com sintomas em crianças e jovens
Pais precisam ficar em alerta com sintomas em crianças e jovens

No início da pandemia, muito se defendia a ideia de que apenas os idosos e pessoas com doenças pré-existentes, em sua maioria, seriam os acometidos com casos graves da Covid-19. Hoje, no entanto, sabe-se que esta não é uma verdade absoluta. Um exemplo disso são os casos de SIM-P (síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica), que acometem desde bebês até jovens de 19 anos, e estão associados ao contágio com o novo coronavírus. Com um caso confirmado em Prudente pelo Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo, fica o alerta aos pais e familiares sobre como identificar a SIM-P, que pode acometer vários órgãos do corpo, e como proceder diante de eventuais sintomas. 
A Sociedade Brasileira de Pediatria, em um alerta apresentado sobre a síndrome, afirma que ela pode ser uma apresentação aguda e grave ou com potencial fatal. Os primeiros relatos da doença surgiram no fim do mês de abril de 2020, quando a Sociedade de Pediatria do Reino Unido emitiu um alerta reportando a identificação da nova apresentação clínica em crianças e adolescentes, que apresentaram uma síndrome inflamatória multissistêmica. 
“Na primeira série de casos foram relatados oito pacientes com idades que variaram de quatro a 17 anos. Estes apresentavam febre alta e persistente, exantemas [manchas na pele] de apresentações variadas, conjuntivite não purulenta, edema de mãos e pés, dor abdominal vômitos e diarreia”, expôs a Sociedade Brasileira de Pediatria. Todas as crianças apresentavam anticorpos detectáveis da Covid-19, reforçando o conceito de que se trata de uma síndrome pós-infecciosa. 

Cenário nacional

Após o alerta do Reino Unidos, diversos outros países apresentaram ocorrências da síndrome, como foi o caso do Brasil. Segundo o Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo, no país, em 2020, da semana epidemiológica 1 a 49 foram confirmados 577 casos de SIM-P e 39 óbitos. Apenas no Estado de São Paulo, até a semana epidemiológica 53, foram 108 casos, sendo 83 com evolução à cura, sete casos de morte e 18 que permaneceram com o desfecho aberto. “Observou-se maior risco de adoecimento entre as crianças menores de nove anos de idade”. No oeste paulista, um caso foi registrado até o dia 10 de janeiro (dado mais recente), este em Presidente Prudente. 
Sobre o diagnóstico, de acordo com o Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo, são considerados casos de SIM-P associada à Covid-19 aqueles casos que seguem os critérios de definição de caso preliminar determinados pelo Ministério da Saúde. “Por se tratar de uma definição preliminar, o diagnóstico médico final auxiliará definição”, por isso a importância de não dispensar a procura médica por parte das famílias.

Veja também