Sônia, mãe de Eliza Samudio, lamenta piada feita por restaurante de Prudente

Em conversa por telefone com O Imparcial, ela diz que não relevará qualquer abuso que desrespeite seu neto, Bruninho, filho da vítima

PRUDENTE - ANDRÉ ESTEVES

Data 02/12/2020
Horário 13:42
Foto: Cedida/Sônia de Fátima Moura
Mãe de Eliza quer preservar saúde emocional do neto
Mãe de Eliza quer preservar saúde emocional do neto

Após a repercussão negativa das publicações que satirizam crimes de comoção nacional, o restaurante Primata Parrilla, de Presidente Prudente, removeu do Instagram, na noite de ontem, a postagem que aludia ao assassinato de Eliza Samudio. A exclusão ocorreu depois que a família da vítima tomou conhecimento sobre a piada infame feita pelo estabelecimento. “O cão é o melhor amigo do homem, [assinado] goleiro Bruno”, dizia a imagem, referindo-se ao goleiro que cumpre pena em regime semiaberto.

Procurada pela reportagem de O Imparcial, a mãe de Eliza, Sônia de Fátima Moura, lamentou o episódio, que considera desrespeitoso, especialmente com o filho de Eliza, Bruninho Samudio, que está com 10 anos de idade. “Quando era mais novo, meu neto não tinha conhecimento sobre esse tipo de piada, mas agora ele já tem acesso à internet e pode se deparar com conteúdos assim. Então, não deixo mais passar despercebido. O que cair na internet e o que eu considerar ofensivo, vou para cima”, afirmou Sônia em conversa por telefone.

Para a mãe da vítima, esse é um tipo de brincadeira que não deveria acontecer, considerando a seriedade da situação e a dor que isso causou para a família. “Embora a gente receba acompanhamento psicológico, piadas como essa nos afetam emocionalmente”, relata.

Sônia conta que também achou revoltantes os comentários feitos por apoiadores na página do restaurante. “Vi várias mensagens absurdas de pessoas rindo e pedindo para postar mais. É preciso mais empatia, pois qualquer um de nós estamos propensos a perder alguém para a violência”, desabafa.

A mãe de Eliza também lamentou que o restaurante mantenha ativa a publicação que alude ao Caso Isabella Nardoni, na qual aparecem os dizeres: “Filho a gente não cria para nós. Cria para jogar no mundo, [assinado] Alexandre Nardoni” (o post foi classificado como conteúdo delicado pelo Instagram, que alerta que a foto pode apresentar conteúdo explícito ou de violência). Em sua opinião, se o estabelecimento fosse correto, também teria removido esta postagem, pois refere-se a um crime envolvendo uma criança. “Argumentam que vivemos em um país democrático, mas há limites. É revoltante que tenhamos que acionar um advogado para pedir que removam esse tipo de piada”, pontua.

Encontrou resistência

A defesa da família está nas mãos da advogada Mônica de Moura Castro, que afirmou a O Imparcial que, a princípio, encontrou resistência por parte da empresa ao pedido de remoção da postagem em questão. Ela conta que fez o primeiro contato no início da manhã de ontem, sendo que o restaurante se negou a retirar o conteúdo até praticamente o começo da noite, quando ela o notificou extrajudicialmente. “Já tive que notificar pessoas por outras piadas feitas em relação ao caso, mas nunca chegamos ao extremo de processar alguém. A minha postura é sempre conversar”, pondera.

Para a advogada, a publicação era extremamente ofensiva e extrapolava todos os limites da liberdade de expressão. Em sua conclusão, o restaurante se valeu da internet de uma forma “irresponsável, sensacionalista e com o objetivo de gerar engajamento e ganhar seguidores, o que conseguiu às custas do sofrimento dos familiares”. Ela completa que esse tipo de conteúdo não é tolerado na sociedade e quem o pratica tem a falsa ideia de proteção. “No entanto, a mesma Constituição que prevê o direito de manifestação, já coloca os limites que seriam de reparação para as pessoas que se sentirem ofendidas”, argumenta.

Mônica também desaprova os comentários dos usuários que apoiaram o conteúdo, o que, segundo ela, naturaliza o comportamento praticado pela empresa e incentiva a barbaridade, além de fomentar o sentimento de impunidade na sociedade.

A advogada reitera que exigiu retratação pública pelo episódio. “É o mínimo – e esse mínimo não consegue aliviar a dor que a família sentiu. A dona Sônia ficou extremamente abalada, mas ela não está sozinha, assim como as outras vítimas não estão. Eu fiquei sabendo que a família da Isabella foi acionada e vai tomar providências”, conclui.

Família deve procurar

Ontem à noite, em publicação no Instagram, o restaurante Primata Parrilla afirmou ter feito uma piada, “com o único e exclusivo interesse de ser piada, uma de várias”.

“Muitas pessoas colocaram as suas opiniões e entendemos que isso é legal, afinal, estamos numa democracia. Porém, as únicas pessoas com legitimidade de se ofenderem com tudo isso são a dona Sônia e o Bruninho. Eles entraram em contato de forma muito cordial e educada. Por isso, em respeito a eles, estamos retirando a publicação, mesmo entendendo se tratar somente de uma piada. Registramos aqui as nossas sinceras desculpas”, escreveu.

A reportagem procurou novamente o restaurante para saber se tem intenção de remover a publicação que alude ao Caso Isabella Nardoni. Em resposta, o estabelecimento comunicou que “se a família da piada também se sentir ofendida e entrar em contato, com certeza tirará”. “A intenção da piada não foi atingir a família de ninguém. E essa piada não é uma opinião. É somente uma piada”, voltou a defender.

Foto: Cedida/Sônia de Fátima Moura - Bruninho, filho de Eliza, está com 10 anos de idade

Foto: Cedida/Sônia de Fátima Moura - Garoto recebe acompanhamento psicológico, diz a avó

Foto: Cedida/Sônia de Fátima Moura - Avó diz que conteúdo é desrespeitoso, especialmente com Bruninho

Veja também