Vendas de inverno

OPINIÃO - Walter Roque Gonçalves

Data 03/07/2021
Horário 04:30

O inverno é a clássica expressão do impacto da mudança do comportamento do consumidor nas estratégias empresariais, em especial para o setor de vestuário! Desde o início da estação, em 21 de junho, o comércio vem aguardando o friozinho característico da época. Contudo, o início da estação trouxe temperaturas amenas. Até que no dia 29 de junho chegou o “senhor frio” abaixo de 5°C. Então, dentro deste contexto, como é que as empresas do setor de vestuário têm se preparado para as oportunidades desta estação?
Segundo artigo publicado no correiobraziliense.com.br, o Sindivarejista constatou que, com as baixas temperaturas, a procura por produtos como agasalhos e cobertores aumentou 4% em relação a 2020, quando o setor sofreu retração de 2%. Em 2020, houve redução de 2% no mesmo período porque o inverno não foi tão intenso e a pandemia estava no auge. O presidente do Sindivarejista, Edson de Castro, acredita que os bons resultados se manterão até o fim do inverno: “Os clientes compram mais (...) Especialmente as mães compram para os filhos (...) preocupadas com a saúde deles”, analisa.

A escassez de produtos pode levar à perda de vendas prontas e o excesso pode descapitalizar o caixa da empresa

A gerente da Hering do Sudoeste, Flávia Figueiredo, 35 anos, calcula que o gasto médio por cliente já aumentou de R$ 190 para R$ 250, desde o início da estação. Fábio Carneiro, 35 anos, gerente das Lojas Leal do Sudoeste, revela que os clientes têm desembolsado cerca de R$ 300 em produtos para o inverno, como cobertores e a linha de cama. Em 2020, a média foi de R$ 200. O frio traz fôlego para o segmento de vestuário, mas é preciso girar o estoque, porque a próxima estação chega em breve. Neste caso, as promoções fazem a diferença.
Se entender as mudanças de comportamento do consumidor é desafiante, repor o estoque é um desafio tão grande quanto, pois a compra e venda estão intimamente ligadas. Para repor o estoque, é preciso antecipar as situações das semanas e até dos meses seguintes, para que não faltem e nem sobrem mercadorias. A escassez de produtos pode levar à perda de vendas prontas e o excesso pode descapitalizar o caixa da empresa. Diante destes desafios, a garra e perseverança do empreendedor fazem toda a diferença para se preparar para as oportunidades do inverno!


 

Veja também