Zoológico tem como missão sensibilizar para a conservação das espécies

Espaço que reúne mais de 200 animais em PP, voltou a funcionar em outubro; objetivo é conectar pessoas à natureza, favorecendo atitudes de proteção da fauna

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 27/12/2020
Horário 10:00
Espécies ameaçadas ou em extinção que são mantidas como parte de programas de reprodução e para posterior reintrodução à natureza
Espécies ameaçadas ou em extinção que são mantidas como parte de programas de reprodução e para posterior reintrodução à natureza

Sensibilizar para a conservação das espécies e dos animais que habitam o local é uma das principais missões do Zoológico da Cidade da Criança de Presidente Prudente. Expor animais à visitação visa exatamente reforçar a conscientização da população sobre a importância de proteger, cuidar bem  da fauna e flora. Por toda extensão do zoológico existem placas com orientações a respeito das espécies e a origem dos animais que vivem ali.

Inaugurado em 1996 e atualmente com mais de 200 animais, divididos em 36 espécies entre mamíferos, répteis e aves, o zoológico está aos poucos voltando à normalidade com seu funcionamento. Depois de quase seis meses sem atividades em decorrência da pandemia da Covid-19, o zoo retornou as atividades em outubro, recebendo novamente, os olhares de curiosidade, alegria e admiração de centenas de crianças e famílias de toda a região, que visitam semanalmente o espaço.

Mesmo nos meses em que reinou o silêncio no zoológico, quebrado apenas pelos sons dos animais, a equipe técnica, composta por coordenador do setor, veterinária, bióloga, zootecnista e tratadores, permaneceram na linha de frente para manter a rotina que não podia parar.

Com a reabertura, o protocolo sanitário foi redesenhado para que funcionários, visitantes e animais se mantivessem em segurança, exigindo também uma grande readaptação por parte de todos.

O zoológico que é administrado e mantido pela Prefeitura de Presidente Prudente, através do Ciop (Consórcio Intermunicipal do Oeste Paulista), estabeleceu regras mais rígidas de higienização, além de novos horários e dinâmicas. O número de visitantes por dia passou a ser controlado e só permitido, mediante agendamento, tudo pensando na segurança do público e no bem-estar dos animais. 

 

Tarefas das mais diversas e inusitadas

Para cuidar dessa variada fauna, funcionários encarregam-se das tarefas mais diversas e inusitadas. As atividades vão desde cozinhar refeições personalizadas, balanceadas e frescas, até atividades estimuladoras, conhecidas como enriquecimento ambiental. Por mês, os animais do Zoológico de Presidente Prudente consomem, em média, 6 mil kg (quilogramas) de hortifrúti, ração e carne. 

A fauna do Parque é composta por animais silvestres e exóticos. Entre eles, a maior atração do zoo é o hipopótamo “Toicinho”. Nascido no parque em 2012, o animal permanece a maior parte do tempo submerso na água, alimenta-se diariamente de 40 k de frutas e legumes, 15 k de capim e 7 k de ração.

 

Peculiaridades das espécies e seus habitats

A equipe, do hospital veterinário, atende não apenas às peculiaridades de cada tipo de bicho, mas também às singularidades dos indivíduos. Trabalham diariamente na aplicação de técnicas como a ambientação de recintos, para tornar os espaços de vivência o mais semelhante possível aos seus habitats naturais.

“Os enriquecimentos ambientais visam estimular comportamentos naturais dos animais, através de estímulos sensoriais, alterações na rotina do animal, tanto do ambiente quanto na alimentação, entre outras técnicas, com o intuito de garantir bem-estar aos animais do plantel”, conta a bióloga da Cidade da Criança, Isabela Alves de Lima Sakita.

 

Qual a importância do zoológico?

O propósito da instituição vai além do entretenimento e inclui a pesquisa científica, a conservação e a educação. Os animais do Zoológico da Cidade da Criança possuem diversas origens, desde espécies ameaçadas ou em extinção que são mantidas como parte de programas de reprodução e para posterior reintrodução à natureza, até vítimas resgatadas de atropelamento em rodovias, tráfico, queimadas e acidentes.

Quando estão prontos, são reintroduzidos na natureza, próximo ao local que foram resgatados, ou onde deveriam estar.

Porém, alguns animais têm danos irreversíveis. Se voltarem para a natureza, serão predados facilmente. Neste caso, os animais ficam no Zoológico e recebem comida adequada e atividades específicas para as necessidades da espécie, através do enriquecimento ambiental. 

Das 36 espécies que vivem no Zoológico da Cidade da Criança, por exemplo, algumas estão classificadas como em perigo ou vulnerável de extinção, como a ave mutum-do-sudeste (Crax blumenbachii) e a ave mutum-do-penacho (Crax fasciolata).

A instituição também contribui para a preservação da fauna ao receber animais que necessitam de atendimento clínico emergencial, encaminhados por órgão competentes, como a Polícia Ambiental.

A bióloga do local ressalta que apenas aqueles que não possuem condições físicas e comportamentais de retorno à natureza permanecem na instituição.

 

Siriema

 

 

Pavão

 

Logan

 

Tartaruga

 

 

Toicinho

Macacos

 

 

Veja também