Apesar de todo rigor, detentos afrontam segurança de presídios

  • 08/09/2019 04:23

A segurança pública do Estado de São Paulo é destaque a nível nacional devido a resultados positivos de queda nos principais índices de criminalidade. A afirmação é da SSP (Secretaria de Segurança Pública), com base em informações catalogadas no banco de dados das polícias. Diante dos resultados e com os criminosos atrás das grades, os últimos governos investiram em peso na segurança das penitenciárias, como as aquisições de equipamentos de última geração que impedem a entrada de aparelhos eletrônicos, drogas e outros ilícitos, bem como no aumento do efetivo de homens que atuam ao redor das unidades para impedir possíveis fugas.

Apesar de todo o rigor do sistema prisional, os sentenciados encontram maneiras de demonstrar uma autonomia para comandar pequenas ações de dentro dos presídios. Na quinta-feira, noticiamos a tentativa de fuga de dois detentos da Penitenciária Maurício Henrique Guimarães Pereira, a P2 de Presidente Venceslau. Conforme a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária), os homens serraram grades da janela da cela (com equipamento artesanal) e saíram em direção à muralha. Graças a ação do GIR (Grupo de Intervenção Rápida) e da Polícia Militar, os indivíduos foram contidos.

Em vistorias nas celas, os agentes apreenderam cordas e serras confeccionadas pelos detentos. Mas essa não foi a primeira tentativa de fuga de homens da P2. Em 2018, o plano de resgate de membros da facção criminosa tomou repercussão nacional. Foram meses de intensa segurança ao redor da penitenciária até que o Estado optou pela transferência dos envolvidos a presídios federais. Essas e outras ações mostram que os bandidos não temem o governo, ou seja, estar preso não significa que perderam o poder. Força essa que os sentenciados controlam dentro e fora das prisões.

Mesmo que as polícias do Estado de São Paulo tenham obtido êxito em impedir as tentativas frustradas de fugas, a atenção precisa ser mantida. Cada vez mais e mais os criminosos estarão buscando alternativas diferentes de evasão das penitenciárias, e é certo de que o Estado está preparado para impedir possíveis planos. A garantia é observada diante das ações especiais registradas. Apesar disso, devemos lembrar que mesmo atrás das grades, os bandidos continuam fazendo a comunidade refém do medo e da insegurança.

ÚLTIMAS DO AUTOR