Quinta-Feira . 21 Fevereiro . 2019

PUBLICIDADE

Em ação

Baep prepara treinamentos para a próxima semana

Efetivo colocará em prática habilidades com uso de fuzis, submetralhadoras e espingardas de calibre 12; treino levará 7 semanas

José Reis - Negri foi designado para comandar o 8º Baep em Prudente José Reis - Negri foi designado para comandar o 8º Baep em Prudente

Na próxima semana, a Polícia Militar do Estado de São Paulo iniciará os treinamentos da equipe que irá compor o 8º Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia), que terá como sede o prédio do CPI-8 (Comando de Policiamento do Interior-Oito), em Presidente Prudente. Conforme o cronograma estipulado pela corporação, a estimativa é de que na segunda-feira os militares subordinados ao novo batalhão comecem o treinamento de habilitação com armas portáteis – fuzis, submetralhadoras e espingardas de calibre 12. Durante sete semanas, o efetivo colocará em prática as habilidades necessárias por meio dos treinamentos ministrados pelo CPChq (Comando de Policiamento de Choque) da capital paulista, que deverá chegar a Prudente no dia 25 de fevereiro.

A criação dos novos Baeps foi anunciada na sexta-feira pelo governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB). Ao todo, serão instalados quatro batalhões, incluindo o 8º Batalhão em Prudente, que atenderá a 67 municípios das regiões de Assis, Dracena e Presidente Venceslau. Ao efetivo, serão aplicadas disciplinas específicas dos treinamentos da Rota (Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar), 2º Batalhão de Choque, 3º Batalhão de Choque, COE (Comandos e Operações Especiais) e Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais).  De acordo com o tenente-coronel Carlos Vitor Negri da Silva, designado para comandar o Baep regional, o efetivo deverá compor entre 265 e 300 militares, o que ainda está sendo definido pela corporação.

 “O Baep tem a função de atuar em ocorrências de maiores complexidades. Desta forma, os policiais serão treinados em todas as áreas de policiamento de choque, gerenciamento de crise, patrulhamento em áreas de alto risco, escolta de alto risco, policiamento em eventos e outros tipos de operações”, explica Negri. Apesar de a novidade ter causado euforia entre a população devido ao armamento pesado e viatura diferenciada, o comandante explica que não é preciso entrar em pânico, uma vez que o batalhão atuará de forma suplementar ao trabalho já desenvolvido pelos militares, como fazer frente ao crime organizado.

“É um ganho que temos, e o comando vem para uma região que é considerada a mais tranquila do Estado. Desta forma, acredito que a responsabilidade maior seja para manter os indicadores criminais satisfatórios e prestar um bom serviço para a sociedade”, analisa Negri. A previsão é de que os batalhões especiais entrem em funcionamento ainda na primeira quinzena de abril deste ano, e prestará apoio à Força Tática, Rocam (Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas) e Radiopatrulha.

Critérios avaliativos

Os militares indicados para atuação no Baep foram indicados conforme o tempo de experiência, principalmente, na área operacional. De acordo com Negri, também é necessário avaliar as condições físicas e participações em programas de policiamento. Alguns dos nomes, inclusive, possuem “vasta experiência” no programa de Força Tática. “Parte deles foi indicada por nós, outros que virão de fora foram indicados pelo Polícia Militar do Estado com base nos perfis. Ainda, haverá uma segunda seleção aqui na cidade até o início dos treinamentos”, comenta Negri.