Bola na rede? Com Dã não!

Goleiro integra elenco Sub-20 da Macaca na Copa São Paulo; “o mais difícil é conseguir um lugar entre os titulares, pois disputamos posição entre quatro, até seis, e apenas um joga”, diz atleta

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 11/01/2020
Horário 07:33
Marcos Bezerra/Divulgação - Dã se espelha nos ídolos Dida, Ederson e Oblack Foto: Marcos Bezerra/Divulgação - Dã se espelha nos ídolos Dida, Ederson e Oblack

Ele é fã de Nelson de Jesus da Silva, o Dida, de “Ederson” Santana de Moraes, do Manchester City, e de Jan Oblak, do Atletico de Madrid! Estamos falando de mais um jogador que é morador de Presidente Prudente e que está escrevendo um capítulo de sua história no esporte, na 51ª Copa São Paulo de Futebol Junior, a Copinha: o goleiro Dã Moroni Bravo de Souza, que integra o elenco Sub-20 da Ponte Preta (Macaquinha).

Aos 17 anos, o menino da equipe que tem, segundo sua mãe Cleide Anália Bravo, nome bíblico, nasceu em Mirante do Paranapanema, mas tem residência fixa no bairro prudentino da Cohab. Já jogou no Grêmio Prudente por três anos, e defendeu outros clubes tradicionais como o Atlético Paranaense, Cruzeiro e Red Bull Brasil.

“Desde pequeno eu gostava de assistir jogos de profissionais, muitas vezes com meu pai, Luiz Carlos Valério de Souza. E para seguir meu sonho tive que passar por uma das coisas mais difíceis, que é deixar a família para trás. Mas, para conseguirmos realizar sonhos temos que nos sacrificar de alguma forma. Estar na Copinha pela primeira vez é uma experiência enorme, pois é uma vitrine que oferece muitas oportunidades boas em times grandes ou até mesmo no profissional”, expõe o goleiro.

Dã chegou à Ponte Preta, por meio de um amigo, Caio Benito, que já jogava no time, e quando o preparador de goleiros perguntou se conhecia um goleiro, na hora ele se lembrou do amigo. “Eu nem tenho uma altura boa, mas eles acreditaram em mim. Então, fiz o que eu sei de melhor para poder impressioná-los. Anteontem, no último jogo da fase de grupos da competição, empatamos em 2 a 2 com o São José [RS] e garantimos a vaga para a fase de mata-mata. O jogo, disputado em Osvaldo Cruz”, expõe Dã.

Um dos momentos mais tensos de um goleiro é quando ele fica frente a frente com um batedor de pênalti. Quando ele defende então, deve ser a glória. Perguntado a Dã, ele responde que a “sensação é um misto de angústia e ao mesmo tempo de ansiedade para poder fazer a defesa, que nem sempre tem sucesso”. “Mas, acho que o mais difícil para um goleiro é conseguir um lugar entre os titulares, pois disputamos posição entre quatro, até seis goleiros e apenas um joga”.

CURIOSIDADE

Na Bíblia, Dã é o quinto filho de Jacó com Bila, serva de sua esposa Raquel, que por ser estéril e não poder agraciá-lo com um filho, pediu ao marido que a engravidasse.

Publicidade
eixosp

Veja também