Arquivo Pessoal/Cedida - Meia-atacante, Andrei sonha em chegar ao Barcelona como seus ídolos Antonie Grinzemann e Messi

Foto: Arquivo Pessoal/Cedida - Meia-atacante, Andrei sonha em chegar ao Barcelona como seus ídolos Antonie Grinzemann e Messi

ESTREIA NA COPINHA

Prudentino sonha em vestir a camisa do Barcelona

Andrei, que pela primeira vez joga na Copa São Paulo de Futebol Júnior, disputa pelo Itapirense na competição que ele vê como uma vitrine para o futebol

  • 07/01/2020 07:15
  • OSLAINE SILVA - Da Redação

Pela primeira vez disputando a 51ª Copa São Paulo de Futebol Júnior, sub-20, a famosa Copinha, o jovem prudentino, Andrei Irineu Silva Oliveira, 19 anos, exalta o sentimento de satisfação e desejo imenso de estar dando um passo à frente para a carreira profissional no esporte! “Essa competição é uma vitrine muito grande, pois os brasileiros param para assistir aos jogos!”, exclama o meia-atacante do time Sociedade Esportiva Itapirense, que chegou à equipe por meio de Júlio Neris, diretor-executivo do clube que se interessou e o contratou ao vê-lo jogar.

Hoje, Andrei e seus colegas entram em campo contra o Carajás do Pará e na sexta-feira o confronto é contra o Vasco da Gama (RJ). “A expectativa para o jogo de amanhã [hoje] é fazer uma bela partida e conquistar três pontos, o que praticamente nos dá a classificação, e ir para o jogo contra o Vasco mais tranquilo”, fala Andrei.

O garoto, que começou a jogar em sua cidade natal, esteve no Grêmio Prudente de 2011 a 2015, passou pelo Penapolense (2015), Desportivo Brasil (2016), América de Rio Preto (2017), Rio Preto Esporte Clube (2019), e, por último, no atual clube Itapirense (2019).

“Estou morando em Itapira, em alojamento com minha equipe desde o dia 4 de novembro, quando começamos a preparação para copa São Paulo. É bem difícil morar longe de casa, mas digamos que esteja  um tanto acostumado, pois a primeira vez em que saí estava com 14 anos”, conta o atleta.

ÍDOLOS NASCEM

DENTRO DE CASA

Andrei menciona que admira muito os craques, o francês Antonie Grinzemann e o argentino Lionel Messi. “Primeiro porque ambos são canhotos como eu, e atuam pelo Barcelona, onde um dia sonho estar. Mas, meus principais ídolos do futebol sempre serão meu pai, Valdinei Rocha de Oliveira, que atuou por vários clubes brasileiros e internacional, e meu tio, José Sidney da Silva!”, exclama orgulhoso dos atletas da família.

Ney, 58 anos, como é conhecido o seu tio materno, treinador de futebol da Semepp (Secretaria Municipal de Esportes), diz que sempre achou importante que o sobrinho pudesse jogar a Copinha. “É a maior competição de base do país. Minha expectativa é que ele possa se destacar e se firmar dentro do futebol”, deseja o tio do jovem.