Torneio interno de badminton promove integração entre alunos

Participantes eram os estudantes inscritos no PAF (Programa Atletas do Futuro), com idades que variam entre 10 e 18 anos; modalidade está inserida na escola desde 2013

- GABRIEL BUOSI - Da Reportagem Local

Data 14/04/2019
Horário 06:25
José Reis  - Torneio interno reuniu alunos de 10 a 18 anos na manhã de ontem Foto: José Reis - Torneio interno reuniu alunos de 10 a 18 anos na manhã de ontem

O ginásio do Sesi (Serviço Social da Indústria), de Presidente Prudente, realizou ontem um torneio interno de badminton para os alunos, em uma ação que já é comum para os estudantes. Segundo a técnica de esportes da unidade, que fica no Parque Furquim, Mayara Bacarin, os jogos ocorrem pelo menos quatro vezes ao ano, de forma que ontem foi a primeira delas em 2019. “Conseguimos misturar o esporte e mostrar o papel social dos jogos”.

Ainda conforme Mayara, os alunos participantes são aqueles inscritos no PAF (Programa Atletas do Futuro), com idades que variam entre 10 e 18 anos. Com a modalidade inserida na escola desde 2013, ela afirma que hoje, por lá, ela não é mais uma novidade. “O Sesi tem conquistado muito espaço com esse esporte e levado ele para muitas pessoas. Temos hoje 200 alunos aqui e que o praticam e isso é gratificante”. Ela lembra que, além da prática da modalidade, o objetivo é levar o papel social, que é o de formar as crianças em cidadãs.

Leandro Virgolino, 11 anos, está no sexto ano e afirma que participa da modalidade há seis anos. Ele afirma que foi no Sesi que conheceu o esporte e lembra da importância dos jogos. “Me deixa muito feliz, pois me permite competir e fazer amigos. Além disso, aprendemos sobre disciplina e respeito ao próximo”. O pequeno afirma que pretende se profissionalizar.

Renato Sampaio, também de 11 anos, afirma que o contato com o badminton é recente, faz pouco mais de um ano, e lembra os benefícios ao olhar dele. “Eu tinha uma raquete em casa e resolvi arriscar. Penso que é uma oportunidade de tirar as crianças do sedentarismo e mostrar que existe diversão fora da tecnologia”.

Veja também