11 vezes em que você achou que iria morrer nesta pandemia

Roberto Mancuzo

CRÔNICA - Roberto Mancuzo

Data 08/09/2020
Horário 06:00

1 – Quando deu três espirros seguidos. Dois atchins até vá lá, podia ter sido uma poeira qualquer, mas três é demais. É Covid.
2 – Quando assistiu a três edições seguidas do “Jornal Nacional”. Ultimamente está melhor, mas no início da pandemia eu começava o telejornal bem e terminava achando que estava com falta de ar, ânsia de vômito e dor no peito.
3 – Quando você resolveu pesquisar no Google sobre Covid-19. “Hei Google, o que significa respiração ofegante e manchas no braço esquerdo?”. A resposta: “Covid-19 grau três, associado com síndrome aguda do peritônio. E câncer.” Sempre dá câncer nas pesquisas médicas do Google, já percebeu?
4 – Quando a rinite e a sinusite deixaram de ser algo normal para você. Toda semana acordava pelo menos uns três dias com nariz “trancado” e já tomava um antialérgico ou nem fazia nada porque sabia que era alguma “ite” da face. Agora, não. É Covid.
5 – Quando resolveu seguir à risca as ideias mais toscas dos políticos sobre cloroquina, ivermectina, gripezinha, tubaína e etc e deu uma baita reação. Para eles, que têm uma junta médica à disposição caso tenha uma simples coceira, é fácil tomar essas coisas. Mas e você? Que no máximo tem um doutor de saco cheio no plantão e uma fila de espera enorme num hospital? 
6 – Quando foi fazer compra do mês após o quinto mês de isolamento social. Em agosto, quando a caixa me falou o valor total foi quase uma notícia de que eu iria para a UTI. Foi mais desastroso do que ler aqueles termos médicos que saem no laudo da tomografia. Sabe? Quando você abre o exame antes do médico e já tem certeza de que morreu?
7 – Quando você lembrou de todas as promessas que fez na virada de 2019 para 2020 e se achou um palhaço. A gente vestiu branco, comeu uva, pulou onda, pendurou fita e o que aconteceu? Revendo todas essas mandingas em 3, 2, 1.
8 - Quando seu filho mais novo vira para você, no meio da aula on-line, e pede para ensiná-lo a fazer uma divisão de decimais. “A professora pediu para o papai me ajudar”. Mano, sabe quando percebe que naquele momento a imagem de herói que ele tem por você vai desabar? 
9 – Quando não teve mais jeito mesmo e você tomou coragem de ir ao mercadinho da esquina. Preparou três dias, muita oração, besuntou álcool gel pelo corpo todo. Mas daí chega lá e no primeiro corredor um ser qualquer esbarra no seu braço. O moço do açougue não está de máscara e quando chega na fila do caixa, a pessoa de trás não respeita a distância de 1 metro e meio. Não é uma sensação horrorosa? Parece que as pessoas estão carregando uma pedra de césio 145 na mão.
10 – Quando você sai cansado do quarto do home office e já pisa direto nas pecinhas do Lego, leva um esbarrão da cachorra e em seguida escorrega em uma coisa esquisita, melequenta, que está ali no chão borbulhando... Devia ter cientista estudando o comportamento dos pequenos em casa durante a pandemia. E o Lego? Ah, o Lego e as pecinhas pequeniníssimas! Meu sonho é ir na casa do dono da Lego, achar o tapete mais felpudo que tiver e espalhar uma por uma... 
11 – Quando você ousou responder à pergunta mais ardilosa de todo e qualquer casamento: “Amor, você acha que eu engordei na pandemia?”. Vai por mim: é sempre “Não” e tem que ser imediato. Ela terminou a pergunta e você já manda: “Não, imagina!”. Ficou vivo.
 

Veja também