Publicidade

36 anos atrás do volante: do Semeppão ao Flecha de Prata

Motorista Tom, responsável por ir e vir com passageiros especiais, atletas das mais variadas modalidades, é o homenageado de hoje do Memória Esportiva 

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 07/08/2020
Horário 09:05
Cedida - Tom no “Semeppão” e muitas histórias no coração para toda a vida Foto: Cedida - Tom no “Semeppão” e muitas histórias no coração para toda a vida

Com 61 anos de vida e 36 deles transportando atletas, o motorista do Semeppão, ônibus da Semepp (Secretaria Municipal de Esportes de Presidente Prudente), que deu lugar ao Flecha de Prata, Edison Benedito de Oliveira Pereira, conhecido carinhosamente por todos por Tom, é o homenageado de hoje da pasta.
Atletas das mais diversas modalidades do atletismo, basquetebol, ciclismo, damas, futsal, futebol, futsal, judô, caratê, handebol, natação, xadrez, voleibol, badminton, entre outras, a verdade é que não há uma modalidade sequer dentro da secretaria que não tenha viajado para alguma competição no ônibus conduzido por Tom. 
Mas, a paixão por dirigir ônibus começou bem antes dele entrar na Prefeitura. Nos anos de 1976 e 77, Tom era motorista na rede de ensino particular, na escola Esqueminha. E foi em 77, que ele iniciou a sua jornada de trabalho na Amepp (Autarquia Municipal de Esportes), hoje Semepp.
Para Tom, foi e é um grande privilégio transportar atletas renomados que, inclusive, têm seus nomes marcados no cenário nacional e internacional.
“Posso dizer que sou muito abençoado por Deus, por essas quase quatro décadas de trabalho. Jamais me esquecerei de ter levado o timaço de basquetebol feminino da Apea/Amepp, que tinha na equipe a rainha Hortência; os olímpicos e medalhistas em Sidney, Claudinei Quirino, Edson Luciano, André Domingos e Vicente Lenilson. No futebol, o Corinthians de Prudente [87 e 88] quando disputava o Paulista da Intermediária. Na época, o time tinha como destaques Espanhol, Geraldão Manteiga, Paulo Dias, entre outros”, destaca Tom.

Fatos marcantes ficarão na história

Trinta seis de anos de histórias atrás do volante, sendo responsável pela vida de dezenas de passageiros, Tom certamente tem muitos momentos marcantes que jamais esquecerá. Mas, dentre eles, um que ele considera inesquecível foi a conquista da medalha de ouro do atletismo no Troféu Brasil na década de 90, no Rio de Janeiro, que tinha como  técnico o professor Jayme Netto Junior e os atletas olímpicos já mencionados. 

“POSSO DIZER QUE SOU MUITO ABENÇOADO POR DEUS, POR ESSAS QUASE QUATRO DÉCADAS DE TRABALHO”
Edison Benedito de Oliveira Pereira, Tom

“Me lembro também da forte equipe de vôlei masculino do técnico Bezerra. O nosso  judô que era forte, a natação com o Polosi e o Formiga, o ciclismo com o a família Lobo, entre outros”, lembrou.  

"Minha vida é só gratidão"

Tom diz que acredita que a primeira virtude de um homem é a gratidão. E ele tem, e muita, por várias pessoas. Ele agradece primeiramente a Deus por protegê-lo todos esses anos nas estradas, e nunca ter sofrido um acidente.
Um agradecimento especial é dedicado ao seu pai (in memorim), Roque de Oliveira Pereira, que o ensinou tudo nesta vida. Também agradece aos ex-diretores da Amepp e Semepp, José Antonio Gazabin dos Santos; Maria Cristina Borges Madeiral, a Tute; Fortunato D’Antonio Ronchi, o Natinho; Antonio de Figueiredo “Feitosa”; Orlando Moretti "Bufila"; Deodato Mário Ramos; Edison Pelágio, o Guena; Jackson de Barros; Claudinei Quirino, atual secretário de Esportes.
“E a todos os técnicos e atletas que tive a honra e alegria de transportar tanto no Semeppão [ônibus antigo da Semeppa, que foi apelidado assim), quanto no Flecha de Prata,  ônibus  novo e que foi apelidado pelo meu amigo Djalma Monteiro, o Cabelo. São pessoas que sempre estão nas minhas orações e no meu coração e que jamais esquecerei o que eles fizeram por mim”,  frisa o motorista Tom. (Colaboração Marcos Chicalé)

Foto: Cedida
equipe de futsal Lotus/Semepp
 Primeiro em pé (à dir.), Tom com a equipe de futsal Lotus/Semepp de 2011/2012

Veja também