A natureza humana

Persio Isaac

CRÔNICA - Persio Isaac

Data 18/10/2020
Horário 05:00

Todos nós sentimos o mesmo sentimento, que existe muita coisa errada nesse mundo. Sentimos que temos muita carência, medo, frustrações, desejos, ambições, ganância, coragem, vaidade, covardia, esperança e ilusões. Sabem... quando eu vi o mundo não sabia se seria mais o mesmo. Raiva, ressentimentos e traição fazem parte da natureza humana. 
Ela esquece mais facilmente a morte de um pai do que aquele que lhe toma um bem, como disse Maquiavel em 1532, no seu livro, “O Príncipe”: "Geralmente são ingratos, volúveis, simuladores, dissimuladores, covardes e ambiciosos de dinheiro". Agimos conforme as circunstâncias. Posso parecer cético, mas devemos aproximar ao máximo da realidade e da verdade efetiva sobre nós. A religião enfeita nossa verdadeira natureza, fazendo crer que fomos criados à semelhança de Deus. Uma piada de mau gosto. Ela é falha em todos os sentidos. De valores morais, éticos, políticos e de caráter. 
Não estamos preparados para servir. Queremos mudar o mundo, mas não arrumamos a nossa própria cama quando levantamos. Se a ilusão acaba nos agarramos ao radicalismo ou às utopias. Os homens sempre agiram pelas formas da violência e da corrupção. É só observar a história. Ou aceitemos a nossa verdadeira natureza partindo de um realismo não utópico para aí sim aceitarmos nossa condição e começar a evolução do  nosso caráter, ou continuaremos a olhar para a cruz pedindo ou culpando o Deus Pai de tudo, pois somos seus filhos mimados e divinos. A natureza humana está mais para o Príncipe de Nicolau Maquiavel do que para o Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry.

Veja também