Alesp aprova distribuição de absorventes íntimos para alunas da rede pública 

Programa Dignidade Íntima também garante kits para estudantes das Etecs e Fatecs; projeto segue agora para sanção ou veto, total ou parcial, do governador João Doria (PSDB)

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 22/03/2022
Horário 08:16
Foto: Shutterstock
No Brasil, estima-se que 1 entre 4 meninas sofrem com impacto da pobreza menstrual
No Brasil, estima-se que 1 entre 4 meninas sofrem com impacto da pobreza menstrual

A Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) aprovou, no dia 15 deste mês, o projeto de autoria do Executivo, que torna lei o programa Dignidade Íntima, voltado para a distribuição de itens de higiene menstrual em escolas da rede pública estadual e instituições vinculadas ao Centro Paula Souza. 
Conforme a Alesp, seis emendas parlamentares foram aprovadas ao texto original, sendo duas delas para implantação de ações e campanhas educacionais sobre higiene menstrual. Outras emendas garantem a distribuição dos kits para alunas das Etecs (Escolas Técnicas) e Fatecs (Faculdades de Tecnologia), e também a disponibilização de coletores menstruais reutilizáveis na lista de produtos, dando, assim, mais alternativas para as estudantes da rede estadual.
Criado em 2021, o Dignidade Íntima é uma iniciativa vinculada à Secretaria de Estado da Educação que visa combater a pobreza menstrual e o impacto negativo da falta de recursos básicos na educação, em particular a evasão escolar. Além de disponibilizar itens de higiene, como absorventes e lenços umedecidos, a iniciativa promove também a formação de estudantes e profissionais da educação em temas relativos à saúde da mulher, pobreza menstrual e suas consequências no contexto educacional.
O projeto havia recebido aval em reunião conjunta das comissões de Constituição, Justiça e Redação; Finanças, Orçamento e Planejamento; e Educação e Cultura. Com a aprovação, o projeto segue agora para sanção ou veto, total ou parcial, do governador João Doria (PSDB).

Dignidade Íntima

Conforme noticiou este diário, com o objetivo de combater a pobreza menstrual e seu impacto na educação, sobretudo na evasão escolar, a iniciativa viabilizou investimento de mais de R$ 30 milhões somente em 2021. 
Os produtos são disponibilizados em todas as unidades escolares da rede estadual para quaisquer alunas que precisarem, com destaque para aquelas em situação de vulnerabilidade. A compra dos materiais é realizada através do PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola). O programa também tem como eixos a formação sobre a temática para todos na unidade, o protagonismo dos jovens, a distribuição de material informativo e a construção da rede de apoio na escola.
Desde a sua criação, o Dignidade Íntima mobilizou muitas comunidades escolares, no interior e na capital, engajando e orientando tanto a equipe de profissionais das escolas como as próprias estudantes, que, além de serem beneficiadas com os materiais disponibilizados, colaboram com a divulgação do programa e na abordagem do assunto junto ao seu núcleo social – principalmente dentro do ambiente escolar.
A ONU (Organização das Nações Unidas) estima que 1 entre 10 meninas no mundo sofrem com o impacto da pobreza menstrual na vida escolar. No Brasil, estima-se que esse número seja 1 em 4. Em 2014, a ONU reconheceu o direito à higiene menstrual como uma questão de direito humano e à saúde pública.

Foto: Cedida

Após aprovação na Alesp, projeto segue agora para sanção ou veto do Executivo

SAIBA MAIS

SAS recebe 10,6 mil absorventes arrecadados por alunos em Prudente

Projeto Lunar arrecada absorventes para combater a pobreza menstrual

Veja também