Alunos do internato de Medicina pedem inclusão no grupo de vacinação

Estudantes ressaltam que orientação do Ministério da Saúde é a de acrescentar o internato junto com profissionais da saúde, o que não ocorre em Prudente

PRUDENTE - GABRIEL BUOSI

Data 21/02/2021
Horário 08:00
Foto: Reprodução
Acadêmicos pedem inclusão no grupo a ser vacinado em Prudente
Acadêmicos pedem inclusão no grupo a ser vacinado em Prudente

Acadêmicos do internato do curso de Medicina da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), de Presidente Prudente, entraram em contato com a reportagem para reivindicar a vacinação para este público, que passa 90% do tempo acadêmico dentro de unidades de saúde, e que ainda não teve início no município. A estudante de 23 anos do 11º termo, Karine Monteiro Ferreira, por exemplo, afirma que o Plano Nacional de Imunização inclui os alunos de internato como um dos primeiros grupos a serem imunizados, junto com demais profissionais da saúde, mas expõe que esta não é a realidade do plano municipal. Procurada, a Prefeitura de Presidente Prudente, por sua vez, informou que, neste momento, não há vacinas disponíveis para imunizar este público em específico.
Junto com a reivindicação, o grupo aponta que conhece estudantes na mesma situação acadêmica de outros municípios e que já conseguiram receber a primeira dose da vacina, o que fez com que o diretório acadêmico do curso entrasse em contato com a Prefeitura, com a finalidade de agendar uma reunião e saber como ficará a situação local. “Porém, a prefeitura fala que vai nos dar um posicionamento o mais breve possível, e com isso já tem cerca de um mês que não temos respostas”, aponta Karine. 
Apesar de a maioria dos acadêmicos ser composta por alunos novos, conforme a estudante, e o risco de complicação ser menor, ela ressalta que a preocupação está especialmente nas famílias dos estudantes, que são grupos de risco. “Inclusive, tenho colegas que já perderam parentes próximos por causa da Covid-19. Nós estamos nos contaminando diariamente”. 

Preocupação diária

O estudante do 10º termo de 23 anos, Gabriel Carlos Leite, lembra que os alunos estão em atendimento, diariamente, nas unidades de saúde, e ressalta a preocupação com os pacientes assintomáticos e que podem transmitir o vírus, mesmo que eles não realizem o atendimento direto dos casos de Covid-19. “Temos contato com profissionais de saúde que estão em atendimento direto com esses pacientes. Somos jovens, mas isso não exime de nos contaminarmos, ademais, temos nossos familiares em convivência. Temos medo de sermos contaminados e contaminar aqueles que estão próximos de nós”.

Sem vacina para este público

Em nota, a Prefeitura de Presidente Prudente, além de informar que, neste momento, não há vacinas disponíveis para imunizar este público, comentou que as doses existentes hoje estão reservadas apenas para a segunda dose da linha de frente, e idosos acima de 85 anos. “Assim que houver o encaminhamento de novas remessas, estes alunos de internato serão incluídos no cronograma de vacinação dos profissionais de saúde, de acordo com as informações a serem prestadas pela instituição de ensino superior em que os alunos estão vinculados”. Ao todo, em Prudente, chegaram 19.808 doses da vacina, sendo que 12.760 já foram aplicadas. Dento dessas que já chegaram, 4.880 estão reservadas para a segunda dose, segundo a administração.
A reportagem também procurou o Ministério da Saúde, mas não recebeu um posicionamento até o fechamento desta matéria. 

Veja também