Comércio reabre para atendimento presencial

Devido à capacidade limitada, clientes formaram filas na entrada de algumas lojas 

PRUDENTE - ROBERTO KAWASAKI

Data 20/04/2021
Horário 05:12
Foto: Roberto Kawasaki
Permissão de funcionamento do comércio é das 11h às 19h 
Permissão de funcionamento do comércio é das 11h às 19h 

A última atualização do Plano São Paulo apresentou a “fase de transição”, que, desde de domingo, permite que o setor do comércio reabra as portas para atendimento presencial. Na manhã de ontem, pouco depois das 11h, o calçadão da Rua Tenente Nicolau Maffei, em Presidente Prudente, já apresentava um fluxo moderado de pessoas. 
A reportagem deu uma volta na área central e verificou que em duas lojas havia fila devido à capacidade limitada de clientes dentro dos estabelecimentos - uma forma de controlar quem entra e quem sai. Nas portas, a aferição da temperatura corporal e a disponibilização de álcool em gel não foram dispensados, assim como as faixas no chão, que indicavam a distância permitida entre um e outro. Já nas ruas que cortam o calçadão, quase não havia vagas para estacionar os veículos, e o policiamento militar realizava o patrulhamento. 
“Vim [ao centro] para trocar uma lâmpada que comprei, mas aproveitei para comprar umas coisinhas”, afirma a dona de casa Maria Aparecida Pontes, 62 anos. A moradora de Prudente estava na fila da loja de uma rede varejista de moda, preocupada em respeitar o distanciamento entre os outros clientes. “Tem gente que não respeita, os jovens andando tudo sem máscara. A gente procura se cuidar, mas não respeitam”, lamenta. Ela acredita que por conta disso pode haver um retrocesso no Plano São Paulo.
Assim como Maria Aparecida, a prudentina Jéssica Beatriz Andrade, 22 anos, está preocupada com o cenário atual e uma possível volta à fase emergencial. Com boleto de loja nas mãos, aguardava a entrada no estabelecimento para quitar a pendência.  “Concordo com a abertura das lojas, o pessoal precisa trabalhar, não dá para ficar desempregado, precisam pagar as contas”, expõe. Sobre seguir à risca a etiqueta sanitária, afirma que muitos não cumprem com a orientação, o que, para ela, traz a sensação de incertezas quanto ao aumento do número de contaminados pelo vírus, óbitos, e o reflexo na economia da cidade. 

Reparação do prejuízo

Mesmo com a mudança no Plano São Paulo, a insegurança ainda toma conta do comércio. Nivaldo Aparecido Grando, gerente da Tanger, lamenta o período de fechamento, que trouxe prejuízo superior a 90% das vendas na loja em Prudente. “O máximo que a gente fez foi receber carnês em atraso, ou vencendo. Ainda assim, muito controlado, porque não podia entrar na loja”, explica. Agora, aproveitará a oportunidade para tentar recuperar pelo menos uma parte do que perdeu. 
“Essa abertura coincide com a mudança de estação, clima mais frio. Então, aquele produto que estava exposto já não está mais à venda. Vamos buscar compensar esse prejuízo, ainda que muito difícil, mas vamos tirar proveito, porque não dá para fazer previsão, é incerto”, afirma. “Estamos aqui de portas abertas atendendo com todo o carinho”.

Abertura em duas etapas

A fase de transição está dividida em duas etapas:  na primeira semana, a flexibilização é no setor do comércio, incluindo a permissão para que lojas de shopping centers funcionem das 11h às 19h. Também estão autorizados, com restrições, cerimônias e cultos religiosos, desde que sejam seguidos rigorosamente todos os protocolos de higiene e distanciamento social.
Do dia 24 ao dia 30, ou seja, a partir de sábado, será retomado o funcionamento do setor de serviços, como restaurantes e similares, salões de beleza e barbearias, além de atividades culturais, parques, clubes e academias. O horário será das 11h às 19h, com exceção das academias, que poderão abrir das 7h às 11h e das 15h às 19h.
Para evitar aglomerações, a capacidade de ocupação permitida nos estabelecimentos será de 25%. Ainda conforme o governo estadual, o toque de recolher continua em vigência das 20h às 5h, assim como a orientação para o teletrabalho para as atividades administrativas não essenciais e escalonamento de horário na entrada e saída das atividades do comércio, serviços e indústrias. 

SAIBA MAIS

Reabertura do comércio tem fila em algumas lojas de Presidente Prudente

Veja também