Crea prepara fiscalização em 22 cidades da região

A partir do dia 20, agentes realizarão 230 diligências em serviços e obras para garantir presença de profissionais habilitados à frente das atividades

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 16/09/2021
Horário 13:25
Foto: Crea-SP
Força-tarefa de fiscalização ocorre entre os dias 20 e 24 de setembro
Força-tarefa de fiscalização ocorre entre os dias 20 e 24 de setembro

O Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo) dará início, em 20 de setembro, a uma força-tarefa de fiscalização do exercício profissional na região de Presidente Prudente.

A ação ocorrerá em Presidente Prudente, Alfredo Marcondes, Álvares Machado, Anhumas, Caiabu, Emilianópolis, Estrela do Norte, Indiana, Martinópolis, Nantes, Narandiba, Piquerobi, Pirapozinho, Presidente Bernardes, Presidente Venceslau, Rancharia, Regente Feijó, Ribeirão dos Índios, Santo Anastácio, Santo Expedito, Taciba e Tarabai.

Em parceria com as prefeituras, entre os dias 20 e 24 de setembro, serão realizadas 230 diligências em serviços e obras de engenharia, agronomia e geociências. A ação terá como foco quadro técnico de empresas que participaram de licitações, empresas de manutenção em hidrelétricas, em usinas de álcool e açúcar, prestadores de serviços em hospitais, empresas sem registro e empresas ativas sem responsável técnico. Participam da operação sete agentes fiscais do Crea-SP.

Com caráter orientativo e preventivo, a ação tem como objetivo garantir a presença de profissionais habilitados à frente das atividades abrangidas pelo conselho.

De 2015 a 2020, as ações de fiscalização do Crea-SP aumentaram cerca de 300%. O crescimento se deve ao uso das tecnologias para apoio à fiscalização, com pesquisas e apurações remotas antes dos agentes fiscais irem a campo e, também, à adoção do modelo das forças-tarefas em todo o Estado. No primeiro semestre de 2021, o Crea-SP registrou cerca de 105 mil ações fiscalizatórias. A expectativa é alcançar 200 mil ações até dezembro de 2021.

O Crea-SP é responsável por fiscalizar o exercício profissional, garantindo que exista sempre um responsável técnico habilitado e registrado à frente das atividades abrangidas pelas engenharias, agronomia e geociências, contribuindo assim para a segurança da sociedade e dos próprios profissionais.

Veja também