Diretor da FCT/Unesp fala sobre horizonte de desafios do campus

PRUDENTE - CAIO GERVAZONI

Data 26/09/2021
Horário 11:00
Foto: Caio Gervasoni
FCT/Unesp de PP possui uma série de desafios para continuar a oferecer qualidade tanto no ensino quanto em termos de infraestrutura
FCT/Unesp de PP possui uma série de desafios para continuar a oferecer qualidade tanto no ensino quanto em termos de infraestrutura

O cenário de pandemia da Covid-19 somado à crescente inflação e a restrição da realização de concursos públicos, por conta da lei complementar 173/2020, traz uma série de desafios estruturais a serem enfrentados pela FCT/Unesp de Presidente Prudente (Faculdade de Ciência e Tecnologia/Universidade Estadual Paulista), que não cessou as atividades acadêmicas e forneceu um módulo de ensino emergencial remoto ao longo da crise sanitária.  

Com o avanço da vacinação no Estado de São Paulo e o horizonte próximo de retomada das atividades presenciais nas universidades públicas, o diretor da FCT/Unesp, Rogério Eduardo Garcia, confia que a unidade prudentina conseguirá montar um quebra-cabeça de desafios para continuar a oferecer qualidade tanto no ensino e nos serviços, quanto em termos de infraestrutura à comunidade acadêmica e a população de Prudente e região. Para Rogério, os desafios podem ser compreendidos a partir de três peças: a insuficiência de funcionários e professores, custeio do campus e problemas de infraestrutura.

Falta de professores e funcionários
“Falta funcionário e falta professor. Mas hoje, 2021, nesta pandemia, eu vejo que o problema não é mais restrição orçamentária ou teto de gastos. O problema é a lei complementar 173 que impede a realização de concursos e está bloqueando a Unesp, assim como outras [universidades públicas] de realizar estes concursos. Antes de março de 2020, quando chegou a pandemia, a gente tinha concurso aberto já em um processo de retomada de contratação de docentes. Aqui na unidade de Prudente, eram sete [vagas]. No Estado, eram 100. Para funcionários, eram duas vagas”, pontua. Conforme o dirigente da FCT, com o fim da lei complementar 173, que deixa de vigorar no começo do ano que vem, será possível estabelecer a realização de um novo concurso. “Em janeiro, a gente espera a retomada dos concursos. Eu acredito que não vai ser assim em um estalar de dedos, mas já num processo de recuperação de estrutura”, discorre.

Segundo Rogério, o cenário de não contração de novos docentes traz sobrecarga ao trabalho dos professores. “Hoje, os docentes aqui têm carga horária elevada.  O que é uma carga horária elevada para gente? É um docente estar 16, 20 horas por semana dentro de sala de aula e isto na graduação, sem contar atividades de pesquisa e orientação. Esse é um dos desafios”.

Custeio do Campus
Em relação ao desafio que é enfrentar a estagnação no orçamento de custeio da unidade frente ao aumento da inflação nos últimos tempos, o diretor da Unesp de Prudente elucida que a unidade não tem uma adequação no orçamento para o custeio de gastos há quase uma década. “A gente não tem um reajuste de custeio desde 2012 para 2013. Vai fazer 10 anos que não temos este reajuste. Então, é só pensar o quanto evoluiu a inflação e o quanto a gente ficou estagnado em termos de custeio”, pontua o diretor da unidade. Para Rogério, por conta disso, um outro desafio é a questão de recuperação de estrutura.

Para o diretor do campus, no geral, a unidade possui uma boa e ampla infraestrutura, mas alguns prédios do campus são antigos e carecem de manutenção.

Reforma da pista de atletismo
O diretor do campus prudentino da Unesp cita a conquista da verba de aproximadamente R$ 5,5 milhões para a reforma da pista de atletismo da unidade, um dos principais celeiros do segmento esportivo a nível nacional, como uma conquista recente da recuperação de estrutura da FCT. Segundo ele, o curso de Engenharia Civil da Unesp de Bauru é responsável pelo projeto de reforma da pista e que “a unidade de Prudente irá fazer todo o processo de licitação, compra e reforma” do espaço.

“A recuperação da pista para gente foi uma conquista muito grande. Esta verba aí que veio, o Aldo trabalhou muito nisso. Nós assumimos a direção da FCT em março de 2018 e em 18 e 19, ele foi várias vezes para Brasília tentar a articulação. E agora o projeto está pronto e vamos soltar. Logo toda a liberação por parte bancária acontece”, pontua.

Com a reforma do local, o dirigente aponta que toda a população poderá se beneficiar da pista e que a ideia é desenvolver projetos junto às escolas do município. “Queremos trazer a molecada desde 8 a 10 anos para começar a descobrir talentos”, indica Rogério.

Questões prioritárias
Rogério deixa claro que a verba de quase R$5,5 milhões será destinada exclusivamente para a pista de atletismo e que outros espaços do campus, neste momento, também necessitam de reformar pontuais. “A gente tem ginásio, piscina coberta, que também precisam de atenção e melhorias. Então, se você falar assim ‘tem coisa pra fazer, pra melhorar? Tem, mas este é um tipo de verba que a gente tem que buscar, como a gente fez com a pista. Tem que buscar fora”, explica o direto da FCT.

Com o horizonte de retomada das atividades presenciais próximo, o dirigente da unidade expõe que é necessário ter um planejamento para definir as prioridades a serem executadas em um primeiro momento. “Essa é uma dificuldade e faz parte do nosso retorno, a gente não pode voltar com a casa do jeito que ela tá. Tem que arrumar a casa primeiro”. Rogério aponta que com o cenário de pandemia e a consequente falta de funcionário nos setores de zeladoria e manutenção faz com que o planejamento seja delineado a partir das prioridades emergências do campus.

“Isso faz parte inclusive do nosso retorno, a gente primeiro chamar os funcionários que vêm para recuperar o campus, para depois trazer alunos. Então, esta recuperação do campus vai acontecer já. Se a gente vai dar conta de tudo o que tem que fazer, isto já é outra conversa. E esta é uma dificuldade. Porque a gente tem poucos funcionários nessa área de zeladoria e manutenção e há muito serviço para ser feito”, pontua. Segundo o dirigente da FCT, durante a pandemia, as atividades de manutenção foram restritas aos serviços essenciais e de urgência.  

Posicionamento da Unesp
Em nota ao O Imparcial, a administração central da Unesp afirma estar bastante atenta ao quadro de servidores docentes e técnico-administrativos nos campis da instituição e pontua que “vem estudando alternativas para a solução de problemas levantados pelas unidades”. Segue o posicionamento:

“A Unesp anunciou em abril deste ano a abertura de concursos para a reposição de funcionários em decorrência de pedidos de desligamento e falecimentos de servidores que se encontravam em atividade, nos limites que a Lei Complementar 173 de 2020 permite. Além disso, incrementou as ações de inclusão digital em andamento ao longo deste cenário de ensino remoto. Um exemplo é o empréstimo de notebooks para até mil alunos de graduação que se encontram em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Em relação à peça orçamentária em vigor no ano de 2021, a elaboração dela ocorreu em 2020, de acordo com as projeções de arrecadação feitas na época pelo governo estadual. Isto posto, a atual gestão da Unesp, que assumiu em janeiro, vem estudando alternativas para a solução de problemas levantados pelas unidades universitárias, no sentido de dimensionar quais demandas podem ser atendidas. Recursos relativos ao custeio das Unidades que não foram utilizados em 2020, por exemplo, puderam ser aplicados em 2021. Em paralelo a essas ações, estão sendo iniciadas as discussões para uma construção plural do orçamento de 2022 da Universidade, considerando o horizonte de retomada das atividades presenciais das Unidades”.

BREVE HISTÓRICO
Criada em 1957 sob o nome de Faculdade de Ciências, Filosofia e Letras de Presidente Prudente, a unidade passou funcionar em 59, com os cursos de Pedagogia e Geografia. Em 1976, o governo de Estado de São Paulo cria a Unesp. A partir de 1989, a unidade de Presidente Prudente passa a receber a denominação que vigora até os dias de hoje, Faculdade de Ciência e Tecnologia. O campus engloba três áreas do conhecimento: humanas, biológicas e exatas. A FCT oferece 12 cursos graduação e cursos de pós-graduação e especialização. Em termos de estrutura e instalações de uso comunitário, a unidade de Prudente possui: uma moradia estudantil, um Ambulatório Médico e Fisioterapêutico, Centro de Convivência Infantil, uma agência bancária, laboratórios didáticos e de pesquisa, oito departamentos acadêmicos, Biblioteca, um RU (Restaurante Universitário) e um vasto complexo esportivo, com pista de atletismo, ginásio de esportes coberto, piscina coberta, campos de futebol, academia e quadras poliesportivas.

 

 

 

Veja também