Encontro de peso

Homéro Ferreira

COLUNA - Homéro Ferreira

Data 29/11/2020
Horário 04:19

Em São Paulo, por conta de sua atividade parlamentar na Assembleia Legislativa, o deputado Ed Thomas (PSB), na condição de prefeito eleito de Prudente, esteve com o conhecido empresário e político Paulo Skaf.

PARCERIAS VIÁVEIS 
O encontro foi na sede da Fiesp/Ciesp (Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), quando houve a garantia de parcerias nos setores do comércio e indústrias, além de ajuda para projetos educacionais, culturais e ambientais.

CIRCUITO FECHADO
Antes do 1º turno das eleições na capital, Paulo Skaf fez visita institucional ao então candidato a prefeito Márcio França, que é presidente da executiva estadual do PSB. Portanto, do mesmo partido de Ed Thomas de quem tem deliberado apoio. 

FORTE ALIADO
Paulo Skaf é visto pela chamada grande mídia como forte aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em São Paulo, ao ponto de ter cogitado a troca de legenda do MDB para a Aliança pelo Brasil, assim que foi articulada a criação do novo partido.  

ALÔ MALANDRAGEM
De olho na malandragem, a inteligência artificial e a análise de dados em ação conjunta de órgãos federais detectam indícios de irregularidades em doações para campanhas eleitorais este ano, cujos valores ultrapassam R$ 588 milhões.  

MUITO ESTRANHO
O Núcleo de Inteligência da Justiça Eleitoral detectou 31.725 fornecedores de campanhas eleitorais, com sócios que recebem benefícios do programa Bolsa Família e auxílio emergencial, que movimentaram mais de R$ 368 milhões. 

SEM CONDIÇÕES 
Outros indícios estão relacionados a 7.985 empresas criadas recentemente e com contratos que movimentaram R$ 68,7 milhões; com quadro societário composto por filiados a partidos políticos. Empresas sem condições de capacidade operacional.

FALTA CAPACIDADE 
São 65.303 pessoas com falta de capacidade financeira, detectadas por estarem inscritas em programas sociais do governo, que fizeram doações financeiras para campanhas eleitorais superiores a R$ 54 milhões.  

SITUAÇÕES OPOSTAS
São 12.437 sem emprego formal que doaram mais de R$ 44 milhões. Outras 2.751 pessoas foram detectadas com renda incompatível aos valores doados, no montante que ultrapassa R$ 23 milhões.

SEM DOCUMENTO 
Irregularidades sobre fornecedores sem registro ativo na Junta Comercial ou na Receita Federal são encontradas em 1.949 empresas que receberam R$ 3,3 milhões por serviços prestados durante a campanha eleitoral. 

USANDO MORTOS 
Quando parece que foi visto tudo o que poderia ocorrer de pilantragem, aparecem ainda 24 doadores no Sisobi (Sistema de Controle de Óbitos).  São mortos que doaram em quantia total R$ 36.194,50.

PARA CHECAGEM 
O Núcleo de Inteligência da Justiça Eleitoral encaminhou os dados com indícios de irregularidades para os tribunais regionais e cartórios eleitorais, como informação de inteligência e direcionamento da fiscalização de contas. 

Veja também