Eu posso fazer a diferença na vida do outro?

EDITORIAL -

Data 11/06/2021
Horário 04:15

Mais que ser humano é importante fazer a diferença na vida de outro ser humano. E em tempos de pandemia, em que os nervos, a sensibilidade, as emoções estão à flor da pele, ser solidário e se colocar no lugar do outro se tornou ainda mais fundamental e necessário. 
Na edição de quarta-feira, a reportagem trouxe a artesã Maria Aparecida Mesquita, 54 anos, que está pedindo doações de restinhos de lãs, linhas, fitinhas, lacinhos e tecidos para a produção de bonequinhas que ela vai doar em prol da bebê Valentina, aquela que precisa tomar aquele medicamento Zolgensma, mais caro que uma mansão. Olha que coisa mais linda. Ela está doando o seu tempo, o se trabalho, a sua mão de obra, o seu amor para contribuir de alguma forma e ajudar. Porque se sentiu tocada com a dor do próximo. Ela pode fazer a diferença? Pode.
Como Maria Aparecida, na edição de hoje, mostramos que o Instituto Harpia de Presidente Prudente promove todas as terças-feiras, um projeto que o seu nome em si já diz tudo: Amorterapia!  Pois é, essa iniciativa conta atualmente com a doação gratuita de 20 profissionais que procuram deixar a vida de pacientes que já carregam um fardo pesado demais, com o câncer, mais leve. 
Ali eles recebem tratamentos específicos, gratuitamente, amor em forma de trabalho, de atenção, de ajuda! Você já se perguntou o quanto gostaria receber de atenção, de ajuda, se precisasse um dia? Não? Então exercite. Não é difícil nos colocarmos no lugar do outro. Nem de forma negativa, muito menos positiva.
O momento pede que os olhos se abram para o mundo. Pessoas estão sofrendo. Pessoas estão adoecendo, precisando de ajuda, de solidariedade, de bondade. 
Olhe-se no espelho, pergunte-se: Eu posso fazer a diferença na vida do outro? Acredite, você pode.
 

Veja também