Gêmeos de Prudente se destacam no jiu-jitsu em meio à pandemia

Medalhas e cinturões foram conquistados pelos atletas da Almeida JJ, Yuri e Ygor; mesmo com um 2021 ainda nebuloso, garotos pensam nos próximos campeonatos 

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 07/01/2021
Horário 09:00
Foto: Cedida
Yuri (quimono azul), papai Amauri e Ygor: família Barros no tatame!
Yuri (quimono azul), papai Amauri e Ygor: família Barros no tatame!

Mesmo com as restrições necessárias por conta da Covid-19, os atletas gêmeos Yuri e Ygor Santos Barros Moraes, 10 anos, que treinam na Almeida JJ, em Presidente Prudente, com o sensei Henrique Ramos, se destacaram em competições de jiu-jitsu, no ano passado. E mesmo com 2021 ainda muito nebuloso, a intenção, segundo o pai dos garotos, Amauri Cesar de Barros Moraes, é disputar o CIJJ (Circuito Interior de Jiu-Jitsu), as etapas do Circuito Paulista de Jiu-Jitsu, os campeonatos Paulista, Brasileiro e o Mundial. Além de alguns eventos nos Estados do Mato Grosso do Sul e Paraná.
Entre os dias 26 e 29 de novembro, eles participaram do tradicional evento das décadas de 80 e 90 que está retornando, a Copa Company, no Complexo Olímpico do Rio de Janeiro (RJ), onde conquistaram cada um, três medalhas e um cinturão. E entre os dias 10 e 13 de dezembro, disputaram o Mundial de Jiu-Jitsu pela CBJJE (Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu Esportivo) em Campinas, sendo que Yuri terminou como vice-campeão na categoria Infantil B 10 anos super pesado, e Ygor ficou em 5° lugar na categoria Infantil B 10 anos pesado. “Esta foi aprimeira vez que um dos dois não trouxe medalhas”, diz o pai.
Segundo Amauri Cesar, na Copa Company, teve o campeonato aberto onde todos poderiam se inscrever e, paralelamente, ocorreu um evento de lutas "casadas". Ou seja, atletas que enviaram seus currículos previamente foram selecionados e convidados. “A organização do evento, no caso das crianças, pais ou responsáveis e professores acertavam as lutas que eram únicas pela disputa do cinturão. Meus garotos trouxeram o deles para casa!”, exclama orgulhoso o pai.

Preparação na pandemia

Amauri comenta que a pandemia foi e está sendo difícil para todos, porém, falando especificamente de atletas, foi muito complicado. Em março, um dia antes de viajarem para disputar a 1ª Etapa do Circuito Paulista de Jiu Jitsu em São Paulo, pela FPJJ (Federação Paulista de Jiu Jitsu), tudo parou, treinos, campeonatos... A equipe dos meninos, que é filial de São Paulo, respeitando a vida e saúde de todos, paralisou todas as atividades. 

“QUANDO O ESTADO MUDOU DE FASE E AS ACADEMIAS RETORNARAM, ELES ACORDAVAM ÀS 5H, TREINAVAM ATÉ AS 7H, DEPOIS ASSISTIAM AS AULAS DA ESCOLA E À NOITE FAZIAM DOIS TREINOS DAS 19H ATÉ AS 21H OU 22H. AOS POUCOS RECUPERARAM UM POUCO DO QUE PERDERAM DEVIDO À PANDEMIA”
Amauri Cesar de Barros Moraes

Segundo o pai, mesmo com treinamentos remotos em casa, os atletas perderam ritmo de treino de competição, parte física, além do contato com os amigos. Quando surgiu o convite para lutar no Rio, em meados de julho, intensificaram mais a preparação. Como são gêmeos e já convivem diariamente, o sensei deles começou a dar aulas para os dois respeitando todos os protocolos.  “Quando o Estado mudou de fase e as academias retornaram, eles acordavam às 5h, treinavam até as 7h, depois assistiam as aulas da escola e à noite faziam dois treinos das 19h até as 21h ou 22h. Aos poucos recuperaram um pouco do que perderam devido à pandemia”, conta Amauri, que sempre acompanhou os filhos, mesmo nos eventos em que a equipe vai, pois também é atleta de competição da Almeida JJ. 
“Mas minha prioridade são eles. Esses meninos são tudo pra mim e minha esposa Miriam, que sempre que possível nos acompanha nos eventos também”, enfatiza o pai também lutador. 

"Pior é a falta de responsabilidade"

“Pra falar a verdade, o medo dessa doença é constante, em todas as situações, não apenas nas competições. Eu comento sempre que essa pandemia é extremamente perigosa, só não é mais do que a falta de responsabilidade de muitas pessoas que estão deixando-a muito mais mortal”, pontua Amauri, acrescentando que nos três campeonatos que foram realizados em 2020, todos os protocolos exigidos, e até mais, foram obedecidos. 
“Isso tudo nos deu mais confiança. A prioridade é a saúde não só dos meus filhos, mas de todos. Então, tendo o risco, não iríamos ou vamos de forma alguma. Agora mesmo nossa região está na fase vermelha, estamos parados novamente. Tendo cuidados e responsabilidade dá para ter segurança”, salienta Amauri. 

box
PRINCIPAIS TÍTULOS

* Campeões Paulistas e de etapas do Circuito Paulista pela FPJJ
* Campeões Sul-Americano pela CBJJD
* Campeões de Etapas do Circuito Interior de Jiu Jitsu (onde no ranking estão em 1º lugar)
* Três vice-campeonatos e um 5° lugar no Mundial CBJJE


 


 

Veja também