Isaías cap. 49, versículos 14 a 17

Persio Isaac

CRÔNICA - Persio Isaac

Data 19/12/2021
Horário 06:07

Para mim é sempre difícil falar sobre religião. O lado político e histórico faz com que a racionalidade domine os meus sentimentos. As perguntas são inúmeras e as respostas são poucas. Me apego sempre no exemplo de um explorador, poeta, escritor, antropólogo, linguista, intelectual,  geógrafo, quando o assunto é religião. Sir Richard Francis Burton, que viveu nos anos de 1800, é esse homem. Falava vários dialetos, um dos primeiros europeus a chegar na nascente do Rio Nilo, conheceu inúmeros países, viveu em várias culturas no meio do povo  e quando foi perguntado a ele se acreditava em Deus ele respondeu com serenidade: "Eu apenas estou começando a minha espiritualidade". 
Com esse exemplo de vida, me sinto um homem incapaz para falar de fé. Jesus Cristo é o exemplo máximo da espiritualidade e a humanidade está distante do cristianismo primitivo. Todos nós buscamos um sentido maior, um significado para as nossas vidas. As religiões com suas verdades absolutas, seus dogmas, suas regras, suas guerras, não me interessam.  
Tive uma experiência de origem espiritual há anos atrás, que tocou meu coração descrente. Num domingo de manhã, fui ao batizado do sobrinho do meu genro. Fiquei na entrada lateral da Igreja Maristela por um tempo, com a Mulher Maravilha, por causa do forte calor. Para minha surpresa, fui abordado por uma pessoa que me conhecia e mostrando uma afeição me disse: "Sei que está passando por um momento difícil e alguém mandou entregar esse bilhete". Quando chegar à sua casa, leia e fique em paz que dará tudo certo. Esse momento que parece sem saída vai passar. 
Fiquei surpreso, e antes de qualquer palavra de agradecimento, ele se despediu e rapidamente entrou na igreja. Ainda atônico com esse gesto, confesso que fiquei emocionado. Entrei na igreja tentando achar a pessoa que mandou esse bilhete. Muitos rostos passaram pelos meus olhos, mas não consegui identificar quem poderia ter me mandado o bilhete, aumentando ainda mais a minha curiosidade. Vi meu sobrinho Renato, e por ele ser uma pessoa extremamente religiosa, achei que fosse ele. Mas por que seria ele? É meu sobrinho e ele não precisa de cerimônia com seu tio.  
Disse a mim mesmo: Vou depois à casa do Renato tirar essa dúvida. No mesmo dia à tarde, fui até a casa do meu sobrinho. Contei o que tinha acontecido. Ele me disse: "Tio não fui eu, mas quando te vi, não consegui rezar, só vinha você no meu pensamento". Me deixou ainda mais pasmo. Não sei se vou saber um dia quem foi essa pessoa que me mandou esse pequeno bilhete e, ao ler Isaías capítulo 49, versículos 14 a 17, meu espírito se sentiu mais fortalecido: 
“Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti." Nunca desista da vida, tudo é possível ao que crê, sempre existe uma saída, Deus não se esqueceu de você.
 

Veja também