O Brasil e suas adversidades...

OPINIÃO - Marcos Alves Borba

Data 23/02/2022
Horário 05:00

Já há algum tempo que sabemos o quanto o nosso país, sendo um ambiente totalmente tropical, e pelo visto ainda não nos acostumamos com suas adversidades de um clima que vez em quando nos pega de surpresa. No verão e isso nunca foi diferente, alguns Estados precisam se preparar devido à chegada das chuvas, seu volume natural sempre ultrapassa seus milímetros de água, causando uma grande catástrofe e assim levando pelo caminho tudo o que se encontra. São vidas, tempos e tempos de construção que muitos levaram e nunca poderiam imaginar que em pouco tempo perderiam tudo. 
Os fatos ocorridos na Bahia, em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, em Petrópolis no Rio de Janeiro e que podem ocorrer em outros lugares do nosso país, nos mostraram o quanto o brasileiro é solidário, pois sempre vem uma grande ajuda de todos os cantos. Mas, nos posicionou e provou também o quanto ainda nossos governantes nunca se mostraram preparados e intencionais para tais situações, e que nos deixam perplexos de seus atos. 
Além de ajuda humanitária, natural que o povo brasileiro sempre mostrou interesse e vontade, ainda nos deparamos com momentos adversos e muito lentos de nossos representantes que, na verdade, precisam fazer a sua parte. As perdas, vindas principalmente de vidas, nos entristecem, e nos tornamos inertes por um tempo. E os que ficam, perdem entes queridos, além de seus pequenos bens que levaram uma vida inteira para conseguir, se vão, simplesmente se propagam.
Por um outro lado, nossa solidariedade não se esvazia a outras situações que vivemos todos os dias. E mesmo num ritmo avassalador de momentos que nos pegam de surpresa, precisamos nos fortalecer do quanto as crianças podem nos surpreender... sempre. 
Dias atrás, lendo numa rede social uma pequena carta de um filho que resolveu escrever a seu pai, devido ter perdido o emprego, e que dizia: de Luiz para Everton. Pai, você não perdeu o trabalho. Foi o trabalho que perdeu você! Está demorando um novo emprego. Porque Deus está caprichando. Eu te amo pai. A cada dia, nos deparamos com situações que nos comovem e nos perguntamos a quem que devemos recorrer e quais caminhos devemos tomar, para que situações como essas não sejam tão recorrentes. 
Nos tornamos insanos por não entendermos o quanto temos uma oportunidade gigantesca, e que, se quisermos mudar essa história, para que ela tenha outra versão e que seja de maneira bem diferente, precisamos verdadeiramente ousar, se quisermos evoluir.
No dia 17 de dezembro de 2021 (e isso foi ontem), o Congresso Nacional rejeitou o veto presidencial à possibilidade de expansão do valor do fundo eleitoral para 2022. Com isso, o valor destinado aos partidos políticos na LOA (Lei Orçamentária Anual) para campanhas eleitorais poderá chegar a R$ 5,7 bilhões. (Agência Senado). Daqui a alguns meses, iremos ter novamente o senso de mudança, se entendermos que isso nós podemos. Mudam-se as pessoas, os cargos ficam. Precisamos ter sanidade na hora de se posicionar a quem mereça e que possa realmente estar do nosso lado. Tome partido e faça certo. 
 

Veja também