Por ora, funcionamento do comércio em PP deve permanecer como está, afirma sindicato

Hoje, governo de SP anunciou que estabelecimentos podem expandir de 10 para 12 horas o horário de atendimento ao público em todo o Estado

PRUDENTE - THIAGO MORELLO

Data 11/12/2020
Horário 16:29
Foto: Arquivo
Ampliação do funcionamento do comércio precisa ser analisada, aponta Sincomércio
Ampliação do funcionamento do comércio precisa ser analisada, aponta Sincomércio

Em coletiva de imprensa realizada hoje na capital paulista, o governo do Estado de São Paulo anunciou que vai expandir de 10 para 12 horas o horário de funcionamento do comércio em todo o território paulista, com fechamento até as 22h. A medida passa a valer a partir de amanhã. Contudo, o Sincomércio (Sindicato do Comércio Varejista de Presidente Prudente e Região) diz que, inicialmente, o período de atendimento na área central deve permanecer como está.

À reportagem, o presidente do sindicato, Vitalino Crellis, informou que vai esperar até segunda-feira para verificar como ficará a situação. Ele pretende se reunir com os lojistas para discutir a possibilidade de trabalhar em um horário estendido. Mas nada impede, por exemplo, que nas últimas semanas do mês a medida seja adotada, ainda de acordo com ele. “São muitas questões que precisam ser observadas. Não é simplesmente abrir”, pontua.

O presidente enfatiza ainda que uma das preocupações com a possível mudança de horário é de que as pessoas não respeitem e aglomerem mais ainda, o que fica totalmente contrário à intenção da medida, que busca abrir mais horário de funcionamento para que os clientes se dispersem em períodos diferentes. “O medo é, por exemplo, que as famílias que precisam fazer compra de Natal, ao invés de vir uma pessoa só para buscar os itens necessários, tragam todos de uma vez e assim mais pessoas fiquem circulando”, completa.

O mesmo vale para os shoppings centers do município, que hoje também operam com carga máxima de 10 horas. Sobre a medida, Evandro Pontes, presidente da Associação dos Lojistas do Prudenshopping, afirma que vai aguardar a Prefeitura publicar o decreto municipal com as medidas do Estado, para entender como vai funcionar. No entanto, ele diz que a intenção de aumentar o horário agrada os lojistas, sim.

Sobre isso, a administração municipal informa que soltará um decreto municipal com as mudanças informadas ainda hoje.

Bares e restaurantes

Além da medida de controle da pandemia para atividades não essenciais em todas as regiões do Estado já citada, o governo paulista também alterou o funcionamento de bares e restaurantes. A partir de amanhã, bares vão encerrar o atendimento presencial às 20h, enquanto restaurantes e lojas de conveniência em perímetro urbano só poderão vender bebidas alcoólicas até as 20h e deverão fechar às 22h.

"Decepcionante". À reportagem, é dessa forma que o Sinhores (Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Presidente Prudente) se posiciona sobre a mudança. O presidente, Rubens Afonso, questiona qual a lógica de impedir que os estabelecimentos “que estão cumprindo os protocolos corretamente sejam prejudicados”.

Ainda de acordo com ele, o principal problema está nas festas clandestinas e aglomerações em locais públicos, “como nas proximidades do cemitério”, que agem de forma irregular. “Tem que acabar com isso. Agora você vai impedir, por exemplo, que um restaurante deixe de vender bebida alcoólica às 20h. Ninguém está se embebedando, é totalmente fora do contexto de trabalho”, frisa.

Rubens também critica a postura do Estado, que, de acordo com ele, desde o início da pandemia adota medidas em todo o território paulista, sem levar em conta as realidades distintas de cada região. “E, mais uma vez, quem está fazendo o trabalho correto é que sai prejudicado”, lamenta.

Segurança da população

As medidas foram apresentadas pelo secretário de Estado de Saúde, Jean Gorinchteyn, e especialistas do Centro de Contingência do Coronavírus durante entrevista coletiva. “São essas as medidas que serão tomadas e iniciadas a partir da 0h do dia 12 e terão a duração de 30 dias, prorrogáveis seguindo os índices da pandemia”, declarou Jean. Ainda de acordo com ele, se faz necessário não só reforçar o sistema de saúde, mas também adotar medidas emergenciais e tendo a possibilidade de uma vigilância que “nos garanta a segurança da população”.

A capacidade de público em bares e restaurantes está limitada a 40% da capacidade de cada estabelecimento. A permanência de clientes em pé está proibida, e cada mesa pode ter, no máximo, seis pessoas. O distanciamento mínimo entre as mesas deve ser de 1,5 metro, com aferição de temperatura e acesso a álcool em gel nos acessos aos estabelecimentos.

Nas lojas de conveniência, os clientes podem permanecer em pé, mas devem seguir as demais normas e horários dos restaurantes. A limitação de venda de bebida alcoólica às 20h vale tanto para o consumo nas lojas como para viagem. A medida é necessária para coibir aglomerações nas imediações das lojas e outros locais públicos.

O Executivo Estadual disse ainda que as restrições foram definidas devido à mudança de perfil etário na demanda por leitos hospitalares de Covid-19. “Entre março e novembro, a maioria das vagas era solicitada para pacientes com idade entre 55 e 75 anos. Nas últimas três semanas, os adultos jovens, com idade entre 30 e 50 anos, passaram a ser maioria entre nesta demanda. Os jovens com idade entre 20 e 39 anos representam 40% dos novos casos confirmados e 3,6% das mortes”, finaliza.

Veja também