Setor de veículos protesta contra alta do ICMS

Reivindicações são de que, se o aumento não for revertido, muitos lojistas poderão fechar os seus estabelecimentos nos próximos meses

PRUDENTE - GABRIEL BUOSI

Data 11/01/2021
Horário 19:12
Foto: Reprodução 
Lojistas do setor lamentam cenário: “Aumento chega a ser abusivo”
Lojistas do setor lamentam cenário: “Aumento chega a ser abusivo”

O anúncio de que a carga tributária do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para os carros seminovos, a partir do dia 15 de janeiro, passará dos atuais 1,8% para 5,5%, continua a desagradar o setor, que, inclusive, realizou uma manifestação pacífica no sábado e já agendou um novo encontro para o dia 14, às 9h, com início no prolongamento da Avenida Coronel José Soares Marcondes, em Presidente Prudente. As reivindicações são de que, se o aumento não for revertido, muitos lojistas poderão fechar os seus estabelecimentos nos próximos meses, ao se verem diante de uma pandemia, que naturalmente diminui as vendas, e com o reajuste de 207% no tributo. Carros novos também terão reajustes no ICMS a partir do dia 15.
O diretor da Diretta Veículos de Presidente Prudente, uma das maiores em multimarcas da cidade, Pascoal Navarro Junior, afirmou ontem para a reportagem que no ano de 2020 a queda nas vendas em relação ao ano de 2019 foi de 25%, de forma que agora a situação tende a piorar com o anúncio do governo estadual. “Não sei nem te precisar uma expectativa de vendas para este ano, pois hoje não tenho saída a não ser fechar a loja”.
O desespero dele e de outros empresários e comerciantes fez com que uma manifestação fosse realizada no sábado, de forma pacífica na cidade por meio de uma carreata, já que “é preciso fazer algo para que o setor não encontre a falência”. “Essa manifestação e a próxima, que já está confirmada, juntas, são um pedido de ajuda. Esse aumento não foi pensado, é fora de base e chega a ser abusivo”. 

Novos valores

Conforme noticiado por este diário, ao ser questionada sobre as mudanças nas alíquotas do ICMS, em nota, a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo disse que a alíquota padrão no Estado é de 18%. Por esta razão, as alíquotas inferiores a este valor são consideradas como incentivo fiscal, conforme previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (parágrafo 1º do artigo 14 da Lei Complementar nº 101). A pasta expôs ainda que os veículos novos e usados, por quase três décadas, “se beneficiaram com renúncias fiscais de até 98%”, em relação à alíquota de 18% praticada no Estado.
Desta forma, com o ajuste fiscal, os carros zero km, que pagavam 12%, passarão a pagar 13,3% de imposto a partir de 15 de janeiro e 14,5% a partir de abril. Já os carros seminovos, que tinham carga tributária de 1,8%, pagarão 5,5% a partir de 15 de janeiro. “O objetivo do ajuste fiscal é proporcionar ao Estado recursos da ordem de R$ 7 bilhões, que serão essenciais para fazer frente às perdas causadas pela pandemia e manter as obrigações em áreas como saúde, educação e segurança pública”.

Reprodução

protesto contra alta do icms de veículos em presidente prudente
Carreata pacífica reivindicou melhorias na alíquota do ICMS 

SAIBA MAIS

Alta do ICMS eleva preços de carros novos e seminovos

Veja também