Sinos de natal

José Vicente

COLUNA - José Vicente

Data 10/11/2021
Horário 03:33

Até os anos 60 era muito comum nesta época ouvirmos pelas emissoras de rádio as melodias natalinas, os sons de harpa, e as mensagens alusivas ao evento religioso mais importante, sem contar que em cada residência era montado o presépio representando o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. O clima de Natal era presente em todas as cidades e a ansiedade pela chegada do Papai Noel, a árvore de Natal toda enfeitada com lâmpadas coloridas, os arranjos natalinos em cada porta, a iluminação especial, tudo era mágico e envolvente, despertando um sentimento bastante forte em cada coração.

O que mudou
Algumas pessoas afirmam que não existe mais aquele clima de Natal e colocam a pandemia como única resposta para essa mudança no comportamento das pessoas, o que não faz sentido, porque aquele sentimento já deixou de existir há muito tempo. A chegada do Natal era até algumas décadas um evento maravilhoso, que unia as pessoas, reunia as famílias, e transformava os finais de dezembro em plena comunhão de paz e amor, independente de presentes caros ou baratos. O Natal é uma festa cristã, e não pode ser confundida com uma festa pagã.

Cestas de Natal
Lembro com muita saudade das cestas de Natal, que eram adquiridas ao longo dos meses, pagas com muito sacrifício pelas famílias menos favorecidas, e chegavam uns dias antes do 25 de dezembro. Uma alegria imensa para cada família que reunia todos os membros para juntos abrirem as cestas de Natal, matar a curiosidade, e saborear cada especiaria, que compunha aquele pacote. Duas cestas de Natal eram famosas, a Columbus e a Amaral, que as famílias esperavam com ansiedade, durante o ano todo, para degustarem enquanto comemoravam o nascimento de Cristo.

E por falar em Natal
Regente Feijó já está toda decorada com os enfeites característicos de Natal, e serão sorteados R$ 10 mil numa promoção tradicional, para que as pessoas façam suas compras no comércio da cidade. O sorteio deverá ocorrer no dia 3 de janeiro, sendo um vale-compra de R$ 5 mil e cinco vales-compras de R$ 1 mil cada. A realização, como já é de costume, tem à frente a Associação Comercial e Industrial de Regente Feijó, cujo presidente é Marcel Lourençoni. A partir de janeiro assumirá o cargo o novo presidente eleito em 11 de outubro, empresário Paulo Sergio Salvador.

Vencedor é Regentense
Um regentense, Murillo Altafine, é o vencedor do Festival da Canção de Rosana, organizado pelo Iscap (Instituto Sociocultural e Ambiental do Pontal do Paranapanema), fundado em 2004. Murillo Altafine ficou em primeiro lugar. O cantor e compositor interpretou sua canção "Leve", que fez com que os jurados reconhecessem plenamente seu valor artístico, um orgulho para Regente Feijó.  
 
Arrastão de limpeza
Segunda feira, dia 8, foi iniciado em Indiana o Arrastão de Limpeza, que vai até dia 19 de novembro, num combate aos mosquitos da dengue Aedes aegypti, ao palha e escorpiões. A população está convocada a colaborar, limpando seus terrenos e descartando na calçada todos os lixos, que deverão ser coletados pela municipalidade. Importante ressaltar que não serão coletados pneus, lixos eletrônicos e entulhos de construção.

Cruzada evangelística
No próximo dia 5 de dezembro será realizada a Primeira Cruzada Evangelística da Assembleia de Deus, Ministério Belém, localizada à Rua Tiradentes, em Indiana, com várias atividades e distribuição de prêmios. A comunidade evangélica está convidada a participar do evento religioso.

Receitas de uma idosa
Dias atrás tive o prazer de conversar com uma senhora idosa, cujo nome quero preservar, a pedido dela mesma, pelo menos por enquanto. E o que ela me conta é surpreendente: tem 94 anos, levanta bem cedo pra tomar seu cafezinho, coado no coador de tecido, varre seu terreiro com vassoura de guanxuma que ela mesmo confecciona e não reclama de sentir dores, porém, quando sente um resfriado, seu remédio ela mesma faz. Chás de hortelã, guaco, poejo, flor-de-mamão-macho, folha de abacate, de goiabeira, casca de abacaxi, folha de agrião, folhas de laranjeira, limão e alho, gengibre e chá de picão. Nunca tomou um remédio de farmácia, diz ela, não gosta de leite, e come banana sempre, desde criança. Não dispensa uma pimenta vermelha, adora um frango caipira, ovos fritos e carne suína, mas de animal que ela mesma cria, nada de granja.

Em tempo
Comece o dia sempre acreditando "que é possível."

Veja também