Suspeito é preso por tráfico de drogas no Jardim Humberto Salvador, em Prudente

Segundo a Polícia, com o indivíduo foram encontradas duas porções de maconha, 18 pedras de crack e R$118 em espécie

PRUDENTE - CAIO GERVAZONI

Data 10/01/2022
Horário 12:37
Foto: Arquivo
De acordo com a Polícia, uma denúncia recebida via Copom indicou que três indivíduos estavam praticando tráfico em uma das ruas do bairro
De acordo com a Polícia, uma denúncia recebida via Copom indicou que três indivíduos estavam praticando tráfico em uma das ruas do bairro

Um rapaz de 28 anos foi preso neste domingo por tráfico de drogas no Jardim Humberto Salvador, em Presidente Prudente. De acordo com a Polícia, uma denúncia recebida via Copom indicou que três indivíduos estavam praticando tráfico em uma das ruas do bairro. Agentes policias foram até o local e os indivíduos, ao avistarem a viatura, “empreenderam fuga correndo cada um para um lado”. Conforme indica o registro da ocorrência, ao fugir, um deles dispensou uma porção de maconha e pulou o muro de uma residência, porém os policiais conseguiram detê-lo.  Segundo a Polícia, com o indivíduo foram encontradas duas porções de maconha, 18 pedras de crack e R$118 em espécie.

Em seu depoimento, o rapaz pontua que foi agredido e que os “policiais disseram que iriam forjar” a situação para prendê-lo. "Já fui preso por assalto; tenho um filho menor; sou usuário de maconha; não tenho advogado; fui agredido pelos policiais com socos e chutes, mas algumas lesões são em decorrência da fuga”.

O suspeito indica que estava indo à uma conveniência do bairro e avistou dois jovens no canteiro de uma rua consumindo maconha e, nesse momento, pediu “para fumar o baseado com eles”. “Não conheço tais rapazes; de repente, chegaram algumas viaturas e os dois rapazes saíram correndo; fiquei com medo, corri e pulei o muro de uma casa”, relata o rapaz ao depoimento exposto no registro de ocorrência. “Os policiais conseguiram me alcançar e na revista no quintal da casa o celular e minha camiseta; no bolso estava a quantia de R$ 118,00 oriundo do trabalho; essas drogas não são minhas; quando fugi não dispensei nada; eles não encontraram droga comigo; nem vi essas drogas, os policiais disseram que iriam forjar para me prender”.

De acordo com o delegado que determinou a prisão do suspeito, o fato narrado pelo indivíduo em seu depoimento “demandará comprovação no trâmite da persecução penal” e que, “em tese, nesta fase incipiente, a materialidade delitiva está comprovada pela droga apresentada pelos policiais, auto de exibição e apreensão, assim como pelo laudo positivo da droga. Portanto, neste momento, não há elementos de prova suficientes capazes de refutar o que foi coligido neste auto”.

 

 

 

 

Veja também