Ter os olhos fixos

Diocese Informa

COLUNA - Diocese Informa

Data 30/01/2022
Horário 04:45

No texto bíblico, Lucas 4,20, lemos este versículo: “Depois, fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Os olhos de todos, na sinagoga, estavam fixos nele”. Para onde os nossos olhos hoje então apontando e fixos? Onde estão as referências da cultura moderna? Não parece que a Palavra de Deus seja a referência mais importante, principalmente porque os preceitos divinos não contam. Não é tão fácil colocar em prática as propostas emanadas da Palavra de Deus naquilo que se refere à defesa da vida. Existe muito investimento na falta de cuidado com o outro, muita opressão, gestos de violência e de constante violação dos direitos individuais, mas também coletivos. Com isto, cresce o sofrimento entre as pessoas, especialmente entre os mais vulneráveis e indefesos. Fazer o bem, como reflexo de encontro com a Palavra de Deus, engrandece a quem o faz, mas também pode sofrer rejeição, ser desfiado pela mentalidade conturbada de hoje e enfrentar riscos nos aspectos político, religioso, econômico e cultural. O que é contra o projeto divino precisa ser rechaçado, porque não ajuda a realizar aquilo que facilita na construção do bem comum para todos. Ter os olhos fixos em Deus sinaliza o modo de agir do ser cristão, principalmente no aspecto da caridade. O sentido da vida é dado pela intensidade do amor como tudo é realizado, de forma generosa e autêntica, não permitindo fatos que veem prejudicar e levar ao desmonte das condições divinas e humanas de cada pessoa. É fundamental não perder de vista os valores pétreos da humanidade e que realmente levam ao bem pessoal e social e que possibilitam uma vida feliz para todos. (Fonte: https://www.cnbb.org.br/ter-os-olhos-fixos/).

MINI SERMÃO:
4º Domingo do Tempo Comum (Lc 4,21-30)

Alguns ouviam maravilhados, outros se escandalizavam e nutriam inveja no coração. Existia dificuldade de acreditar que o Filho do carpinteiro fosse Filho de Deus. Ficam com os seus preconceitos. Todas as vezes que nós tomamos a decisão de ficar fechados em nós, fazemos a mesma coisa que eles: negamos os dons do Senhor. Jesus também se escandaliza com nossa falta de fé. Não causa espanto que percam a Salvação todos os que lançam o Senhor para fora de suas vidas. Os invejosos se esquecem do Amor de Jesus e o transformam em ódio amargo por Aquele que tinha os céus em Sua boca. Que Jesus continue a passar em nosso meio com Seu Amor. Ame e quebre as regras do ódio! (Autor: Padre Rafael Moreira Campos).

AGENDA PAROQUIAL: Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Presidente Venceslau
Missas:
Sábado às 19h – Igreja Matriz
Domingo às 19h – Igreja Matriz


MENSAGEM DO PAPA:

Jesus apresenta-se como aquele sobre o qual se pousou o Espírito do Senhor, o Espírito Santo que o consagrou e o enviou para cumprir a missão de salvação a favor da humanidade. O Evangelho de hoje mostra-nos a admiração dos seus concidadãos ao ver que um habitante da sua aldeia, “o filho de José” (v. 22), pretende ser Cristo, o enviado do Pai. Jesus, com a sua capacidade de penetrar as mentes e os corações, entende imediatamente o que pensam os seus conterrâneos. Eles julgam que, sendo Ele um deles, deve demonstrar esta sua estranha “pretensão” realizando milagres ali, em Nazaré, como fez nos povoados vizinhos. Mas Jesus não quer e não pode aceitar esta lógica, porque não corresponde ao plano de Deus: Deus quer a fé, eles querem os milagres, os sinais; Deus quer salvar todos, e eles desejam um Messias para a própria vantagem. E para explicar a lógica de Deus, Jesus cita o exemplo de dois grandes profetas antigos: Elias e Eliseu, que Deus tinha enviado para curar e salvar pessoas não judias, de outros povos, mas que tinham confiado na sua palavra. Diante deste convite a abrir os seus corações à gratuidade e à universalidade da salvação, os cidadãos de Nazaré revoltam-se e chegam a assumir uma atitude agressiva, que degenera a tal ponto que “se levantaram e o lançaram fora da cidade; e conduziram-no até ao alto do monte [...] a fim de o precipitarem dali abaixo” (v. 29). A admiração do primeiro instante transformou-se numa agressão, numa rebelião contra Ele. Também hoje, o mundo tem necessidade de ver nos discípulos do Senhor profetas, ou seja, pessoas corajosas e perseverantes em responder à vocação cristã. Pessoas que seguem o “impulso” do Espírito Santo, que as envia para anunciar esperança e salvação aos pobres e aos excluídos; pessoas que seguem a lógica da fé e não do miraculismo; pessoas dedicadas ao serviço de todos, sem privilégios nem exclusões. Em poucas palavras: pessoas que se abrem a acolher em si mesmas a vontade do Pai e se comprometem a testemunhá-la fielmente aos outros. (Fonte: www.vatican.va/content/francesco/pt/angelus/2019).

Padre Rafael Moreira Campos
Adm. Paroquial Paróquia Nossa Senhora de Fátima – Pres. Venceslau/SP
"Ouse ser o melhor. Ame!"
Instagram @padrerafaelmoreira
Facebook www.facebook.com/rafaelmoreiracampos
Informações: Cúria Diocesana (18) 3918-5000
 

Veja também