Vendas externas de Prudente crescem 40,92% no quadrimestre

Cristiano Machado

Suíça, Reino Unido, China, Itália e EUA lideram ranking 

COLUNA - Cristiano Machado

Data 21/05/2021
Horário 06:00
Foto: Wenderson Araujo/CNA/Trilux/Divulgação
China comprou US$ 2.169.943 (465.837 kg) de carne bovina de Presidente Prudente
China comprou US$ 2.169.943 (465.837 kg) de carne bovina de Presidente Prudente

As exportações totais de Presidente Prudente no primeiro quadrimestre deste ano tiveram aumento de 40,92% em comparação ao mesmo período do ano passado. Conforme levantamento feito pelo Oeste Agropecuário, de O Imparcial, de janeiro a abril deste ano foram vendidos ao exterior US$ 37.401.431 em produtos. Na cotação do dólar de ontem, no fechamento desta edição, o montante em reais é de R$ 197.853.569,99. No mesmo período de 2020 o resultado foi de US$ 22.088.264. A diferença é de US$ 15.313.167. Já as importações no mesmo período deste ano foram de US$ 4.611.525 (em 2020 foram US$ 3.262.411). 
Responsável por boa parte dos números, os produtos de origem do campo são os destaques.  Ao analisarmos dados especificamente sobre a cidade de Presidente Prudente, no oeste paulista, o destaque é que Suíça, Reino Unido, China, Itália e EUA lideram ranking dos principais parceiros comerciais da cidade neste ano. 

Os principais produtos

A suíça, por exemplo, comprou US$ 14.798.215 (40.400.000 kg) dos itens “açúcares de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura, no estado sólido”. Já o Reino Unido adquiriu US$ 3.294.446.  
Já a China pagou US$ 2.716.325 por “couros preparados após curtimenta ou após secagem e couros e peles apergaminhados, de bovinos (incluindo os búfalos) ou de equídeos, depilados”. A região chinesa de Hong Kong, entretanto, negociou US$ 463.138 dos produtos. Já a Itália, US$ 2.305.815. E os Estados Unidos, US$ 1.761.462. 
No item “couros e peles curtidos ou em crosta, de bovinos (incluindo os búfalos) ou de equídeos, depilados, mesmo divididos, mas não preparados de outro modo” a China levou US$ 643.173 (498.610 kg); Hong Kong, US$ 404.313 (66.515 kg).  

Carne bovina

A China importou ainda US$ 2.169.943 (465.837 kg) de “carnes de animais da espécie bovina, congeladas” de Presidente Prudente. O número é muito menor que o resultado do mesmo período do ano passado. Em 2021, os chineses adquiriram US$ 8.882.649 (1.583.773 kg). 
*Clique no www.norteagropecuario.com.br e confira as tabelas completas dos dados. 


“Nos últimos anos, o setor agropecuário obteve diversas conquistas ao defender uma agenda estruturante para o aumento da oferta de crédito e ampliação da competição nessa oferta. No entanto, nem todos os instrumentos criados alcançam diretamente os pequenos e médios produtores. Como o Sistema CNA/Senar trabalha para que mais produtores possam trabalhar nas faixas de maior produtividade e renda, aplicamos essa pesquisa para mapear as reais dificuldades desse público”. 

Fernanda Schwantes, assessora técnica de Política Agrícola da CNA, ao apresentar ao Mapa pesquisa inédita sobre as prioridades e principais dificuldades de acesso ao crédito e seguro rural enfrentadas por pequenos e médios produtores rurais do país.

Sai...  

É oficial: Ex-presidente da SRB (Sociedade Rural Brasileira), Gustavo Junqueira (foto), deixará até o final deste mês a Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Ele assumirá a Invest SP, agência estadual de promoção de investimentos, após a saída de Wilson Mello. Em comunicado oficial, o governo paulista anunciou até mesmo o processo de transição já em execução. "No comando da pasta desde janeiro de 2019, Junqueira foi responsável por iniciativas importantes como o Agro Legal, que deve regularizar ambientalmente mais de 360 mil imóveis rurais e reflorestar aproximadamente 800 mil hectares em 20 anos; o Cesta Verde, que apoia pequenos produtores e possibilita doações de alimentos à população carente; e o Rotas Rurais, parceria mundial inédita com o Google para endereçamento digital de todas as propriedades rurais e mapeamento de 200 mil quilômetros de estradas. A atuação de Junqueira também facilitou a interlocução entre o Estado e os diversos setores do agronegócio". 


Daniel Guimarães/AgriculturaSP

Entra!

 O futuro titular da Agricultura paulista é o deputado estadual Itamar Borges (foto), do MDB. Ele preside a Frente Parlamentar do Agronegócio Paulista e a Comissão de Atividades Econômicas. Borges está no terceiro mandato consecutivo na Assembleia Legislativa e foi prefeito de Santa Fé do Sul (SP) por três vezes. Ele deve tomar posse no dia 1º de junho. Borges tem como as principais bases eleitorais as regiões de São José do Rio Preto e Araçatuba, no noroeste paulista. Entre as suas principais áreas de atuação, estão: “defesa da agricultura, pecuária, agroindústria, sucroenergia, piscicultura e todos os setores da cadeia produtiva do agro”. A alteração ocorre em razão da necessidade de o governador João Dória abrir mais espaço ao MDB no seu governo. Ele busca se candidatar à Presidência da República em 2022. Desde segunda-feira, 17, está em curso o processo de transição da pasta. O trabalho deverá ser concluído até o fim deste mês.

Alesp/Divulgação 

Itamar Borges

Mercado do boi: Vendas externas se mantêm acima de 100 mil toneladas há quase 3 anos

Desde julho de 2018, as exportações mensais brasileiras de carne bovina in natura estão acima de 100 mil toneladas. Até então, a sequência anterior mais longa com os embarques acima dessa quantidade havia sido verificada entre maio de 2006 e junho de 2007, ou seja, por 14 meses. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário é resultado da demanda internacional – sobretudo chinesa – aquecida. 

WendersonAraujo/Trilux/CNA/Divulgação

No campo, contudo, a produção brasileira não conseguiu acompanhar o avanço na demanda por carne

Aumento dos preços

No campo, contudo, a produção brasileira não conseguiu acompanhar o avanço na demanda por carne. O resultado foi o contínuo aumento nos preços do boi gordo, da reposição e também da carne negociada no mercado atacadista nacional. Em julho de 2018, o valor médio real do boi gordo (valores foram deflacionados pelo IGP-DI) estava em R$ 209, saltando para R$ 219 no encerramento daquele ano. Em 2019, a arroba passou a ser negociada acima de R$ 220 em praticamente todo o ano e, em 2020, superou os R$ 300. Nos primeiros cinco meses de 2021, o boi gordo tem sido comercializado em torno de R$ 310. Na B3, os contratos com vencimento no final deste ano operam na casa dos R$ 330. (Do Cepea)

Veja também