Agronegócio brasileiro bate recordes em plena pandemia

COLUNA - Contexto Paulista

Data 16/05/2020
Horário 09:30

Em meio a tantas notícias negativas na economia brasileira provocadas pela pandemia do coronavírus, uma delas destoa positivamente. A Covid-19 parece não ter afetado as exportações brasileiras do agronegócio, segundo revela o site especializado Agrolink. Ao contrário, a crise internacional passou a demandar ainda mais soja brasileira, com antecipação das exportações do produto, conforme a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. As vendas no exterior em abril superaram US$ 10 bilhões, 25% a mais do que em abril de 2019. Este é o melhor resultado no setor desde 2013. No primeiro quadrimestre deste ano, as exportações brasileiras do agronegócio somaram US$ 31,40 bilhões, alta de 5,9% em relação ao mesmo período no ano anterior. As vendas externas representaram o melhor resultado do acumulado entre janeiro e abril na série histórica e foram responsáveis por quase metade das exportações totais brasileiras (46,6%).

Soja e carne bovina
Segundo o levantamento, os produtos que puxaram essa alta foram a soja em grão e a carne bovina, especialmente para a China. As vendas da oleaginosa cresceram 73,4%, com 16,3 milhões de toneladas, com receita de US$ 5,46 bilhões, uma alta de US$ 2,16 bilhões em relação a abril de 2019. A carne bovina foi o principal produto entre as carnes no quadrimestre, sendo responsável por 45,3% do valor exportado. Novamente a China foi o principal destino, representando quase metade das exportações brasileiras do produto no período (49,6%).

Capacete anti-Covid
Parceria da USP (Universidade de São Paulo) com a iniciativa privada deverá resultar em mais uma arma na luta contra a Covid-19. Trata-se de um capacete que pode ser adaptado ao respirador artificial e com isso dispensar o uso do tubo endotraqueal em pacientes internados nas UTIs. O protótipo está em fase final de desenvolvimento e deverá estar concluído ainda em maio. É uma opção menos invasiva, na visão do professor Raul Gonzales Lima. O equipamento, batizado inicialmente como “escafandro” − por parecer a vestimenta usada por mergulhadores −, é composto de uma cúpula redonda de acrílico, por uma membrana de látex que se ajusta ao pescoço do paciente, uma almofada inflável sobre os ombros e filtros e válvulas de acesso. O acrílico é um material translúcido que pode ser higienizado até mesmo com bactericidas. O equipamento poderá custar menos de R$ 400.

Em São Carlos
Pesquisadores da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) estão desenvolvendo dispositivos para a identificação do novo coronavírus em pacientes infectados em ambientes contaminados, inclusive em redes de esgoto. O projeto prevê a utilização de um sensor eletroquímico para a detecção na saliva do paciente de pelo menos três sequências do genoma do vírus. O objetivo é desenvolver uma metodologia simples e de baixo custo para o diagnóstico de Covid-19.

Testes em escala
O Laboratório de Imunologia Clínica e Biologia Molecular, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp (Universidade Estadual Paulista), campus de Araraquara, tem agora capacidade para realizar até 500 testes por dia de diagnóstico de Covid-19 do tipo Reação em Cadeia da Polimerase em Tempo Real, que manipula material genético do vírus. O laboratório tem nível de biossegurança NB3, em uma escala que vai até 4 e está credenciado pelo Ministério da Saúde para realizar exames de biologia molecular. Para alcançar a meta de até 500 exames por dia, o laboratório de São Carlos recebeu emprestado mais dois equipamentos para as reações de RTqPCR, na própria Unesp, dos campus de Botucatu e de São José dos Campos. Para suprir a demanda, a equipe tem trabalhado de segunda-feira a sábado até 16 horas por dia. Parceria entre a Unesp e a Embraer permitirá a realização de 40 mil testes no interior paulista.

Megaoperação em Campinas
O Hospital de Clínicas da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) dará início à fabricação própria de aventais de TNT, utilizados para isolar os profissionais que atuam no enfrentamento da Covid-19. Serão produzidos dentro do hospital cerca de 100 mil aventais. O investimento é de $ 200 mil. Foram adquiridos 110 mil metros de TNT, linhas, elásticos e máquina de corte, empreitada que contará com força de trabalho do hospital e voluntária.

Vacina contra chikungunya
O Instituto Butantan assinou acordo com a farmacêutica Valneva para a produção de uma vacina de dose única contra a doença chikungunya, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Em seis meses, a empresa francesa transferirá sua tecnologia ao instituto.

Aeroportos no interior
O governo de Estado de São Paulo realizou audiência pública virtual para a concessão de 22 aeroportos e aeródromos regionais à gestão da iniciativa privada. A lista: São José do Rio Preto, Presidente Prudente, Araçatuba, Barretos, Avaré, Assis, Dracena, Votuporanga, Penápolis, Tupã, Andradina, Presidente Epitácio, São Manuel, Ribeirão Preto, Marília, Bauru, Araraquara, Franca, São Carlos, Sorocaba, Guaratinguetá e Registro.

 

 

Veja também