José Ilário Pasquini é sepultado em Presidente Prudente

Vice-presidente do HCPP estava internado na UTI de um hospital em São Paulo, onde lutava contra um câncer no pulmão

PRUDENTE - ROBERTO KAWASAKI

Data 22/05/2020
Horário 06:25
Cedida - Cerimônia restrita ocorreu ontem, no Cemitério São João Batista Foto: Cedida - Cerimônia restrita ocorreu ontem, no Cemitério São João Batista

Morreu ontem em São Paulo, aos 67 anos, o vice-presidente do HRCPP (Hospital Regional do Câncer de Presidente Prudente), José Ilário Pasquini. Ele estava internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Beneficência Portuguesa e faleceu em decorrência de um câncer no pulmão - a batalha durou 16 anos.

Pasquini nasceu em um sítio da família em Alfredo Marcondes, no dia 18 de outubro de 1952. Após perder o pai, ainda cedo, mudou-se com a mãe para Presidente Prudente onde traçou sua trajetória de reconhecimento na comunidade. No município, trabalhou em um banco e cursou Direito na Toledo Prudente Centro Universitário. Ao longo de sua vida, chegou a tocar o agronegócio na propriedade do pai e expandiu seus negócios.

“Ilário doou-se ao Lions Clube Cinquentenário, onde foi presidente, além do sindicalismo bancário”, afirma o amigo Adalberto Lopes Pereira. “Deixa uma folha de serviços extensa em nossa cidade, e sua memória será honrada pela família e amigos”. Nos últimos anos, Ilário dedicou-se à construção do HRCPP, e buscou avanços para o hospital de referência na região, onde foi presidente da fundação durante 7 anos e realizou importantes ações. Dentre elas, o início do serviço de radioterapia, em 2015.

Foi no começo do projeto que surgiu a amizade com Luís Roberto Gomes, procurador da República em Prudente. “Havia sido destinada uma verba do acordo MP/Cesp e havia muito trabalho a ser feito para que fosse aplicada corretamente, obedecendo a legislação”, lembra. “Ilário se dedicou de corpo e alma. Abraçou a causa. Com muita seriedade, honestidade e dedicação, conseguiu superar os obstáculos e levar adiante a obra”, expõe Luís Roberto, que o caracteriza como parte importante dessa história.

Em nota, o HRCPP lembra Ilário como “um nobre homem”. “Íntegro, solidário e que será eternamente lembrado por todos os atos que beneficiaram milhares de pacientes com câncer da região. Lutou bravamente contra o câncer e trouxe da difícil experiência ainda mais vontade de ajudar as pessoas”. Para o presidente do hospital, Francelino Magalhães, José Ilário não foi apenas um colaborador. “Dedicou muitas horas do seu tempo para o nosso hospital. É uma grande perda como pessoa, homem, chefe de família e amigo”, lamenta.

A última visita de Ilário ao HRCPP ocorreu em fevereiro, onde se encontrou com Francelino e os colaboradores, José Roberto Garcia e Mayara Morares.

“DEUS O QUIS DO

LADINHO DELE”

José Ilário Pasquini era casado com Sueni, com quem teve duas filhas, Anelise e Belisa. A imagem do homem trabalhador e que lutava pela sociedade também era refletida dentro de casa. Com a voz embargada, Leila Mara Pasquini, sobrinha, diz não ter palavras para descrever o tio. “Era muito cuidador, não só com a família, mas com todos”. “Estava ali, sempre amparando, sendo prestativo e bondoso. Um tio que cuidava de tudo e ajudava a todos conforme estivesse a seu alcance”, lembra, exemplificando o HRCPP.

“Queríamos que ficasse um pouquinho mais com a gente, mas Deus o quis do ladinho Dele”, lamenta. “A missão foi cumprida! E muito bem cumprida”.

Em razão da pandemia da Covid-19, não houve velório. O sepultamento ocorreu ontem, no Cemitério Municipal São João Batista, em cerimônia restrita.

AMIGOS E CONHECIDOS LAMENTAM A PERDA

“Sua meta maior foi sempre servir ao próximo. Uma figura humana impressionante o Ilário. Daí nasceu nossa amizade. Foi forjada na labuta. Ele se tornou meu companheiro nas pescarias, a gente não se largava. Sempre juntos. Ele me protegia quando eu tomava umas a mais. Meu protetor. Com certeza terei esse querido amigo sempre no coração e no pensamento” (LUÍS ROBERTO GOMES)

“Acompanhei durante 7 anos da construção do hospital, desempenhados com muita dedicação, empenho e coragem. Sou testemunha da dedicação e amor que ele nutria pelo Hospital do Câncer. Devemos muito a ele. Sua memória deve ser reconhecida na dimensão do que ele fez” (IRIO SOBRAL)

“Ele sempre foi fiel às suas convicções, dedicando-se em tempo integral da bela ideia de servir a todos que portavam desse mal que acabou levando-o. Mas lutou com bravura e denodo, conseguindo alcançar o seu objetivo. Foi um vencedor e deixa muitas saudades” (IZIDORO DOMINGOS)

"Meus sentimentos à família. Deus lhes dê o conforto necessário para esse momento tão doloroso...Vá com Deus amigo. Seu legado será sempre lembrado” (CRISTINA ALEXANDRE)

“Que tristeza! Exemplo de cidadão. Líder, exemplo de caráter, lutando sempre em prol do próximo no HC, amigo! Deixa seu exemplo para todos nós, o céu está em festa, está nos braços de Deus” (FABIO BUCHALLA)

“Não tenho palavras para dimensionar a minha gratidão por ele. Me acompanhou do primeiro ao último dia no tratamento no Hospital do Câncer” (CIBELE CARRASCO RAINHO)

"Notícia que recebemos com muita tristeza. Meus sentimentos a toda família!” (JUSSARA BRESSANIN)

“Nossos sentimentos. Cidadão exemplar e dedicado ao próximo. Descanse em paz meu irmão. Deus possa confortar a todos os seus familiares e amigos” (MARCELO COSTILHO JORGE)

“Meus pêsames para família, ele fará muita falta principalmente para o hospital” (ELIANE MONTEIRO)

“Que a bondade e o exemplo de ajudar tantas pessoas nunca seja esquecido! A toda família nossa gratidão e pesar pela perda do grande homem, pai e voluntário que ele sempre foi! Que Deus o receba de braços abertos e conforte cada um que teve o privilégio de conhecê-lo. Obrigada Sr. José Ilário” (CYNTHIA REIS BERTACO)

“Um homem solidário que contribuiu muito com o hospital e beneficiou milhares de pacientes aqui da região. Agradeço por ter tido a oportunidade de conhecer as instalações desse imenso hospital através da sua pessoa. As suas boas ações marcaram a sua gestão” (ZETTY FERRAZ)

Veja também