Sua promessa, tá de pé?

  • 22/01/2020 04:27
  • Marcos Alves Borba

Caro leitor, é bem provável que neste início de ano muitos já estejam a postos de seus cúmplices, aliás, de seus combinados vínculos a alguém, como forma de garantia de que pelo menos falou e vai tentar. E podemos até perguntar: como irá se safar de tudo que prometeu e esteja a mercê de como irá pelo menos tentar? Venhamos e convenhamos que, na chegada de final de ano, sempre vem a proposta de uma retomada de uma nova era. O que na verdade todos nós almejamos algum dia. Dessa maneira, tento provocar em cada um nós o que verdadeiramente nos intriga ou nos move para uma ação, no que podemos dar sentido a nossa existência. Afinal de contas, o que você prometeu num final de ano para o próximo ano, acontece?

Muitos ainda se privam de seus sonhos, pensando demais e guardando para si aquilo que por um bom tempo não acontece, e que a inibição por falta de impulso o impede de dar o primeiro passo. Assim, é provável que ficamos presos a grandes atribuições que podem nos coibir a não ter um verdadeiro propósito que valha o sentido.

Muitos ainda se privam de seus sonhos, pensando demais e guardando para si aquilo que por um bom tempo não acontece

Alguns, devido a grandes percalços incômodos, persistem na retomada, mesmo que já algum tempo venha tentando ter um emprego digno de sua capacidade. Outros na eminência de que já chegou a hora de fazer com que seu corpo tenha o direito de levar uma vida bem mais saudável, e assim tentam e relutam de forma insana com dietas absurdas, sem contar no pula pula daquela atividade física porque a maioria pratica. Ouse, mas que faça dessa sua ousadia um direcionamento mais consistente e de valor. Um respeito a você mesmo.

Se possível, faça de seus combinados, preferencialmente de maneira mais leve, racional e necessária, mas dando um sentido suave de que você pode e vai chegar lá. Pode-se levar um tempo, mas tenha em mente a simples ideia de que esse resultado será muito mais compensador se entender o seu cúmplice de promessas, se fazendo valer daquilo que não dependa de outrem.

Já algum tempo temos ouvido e muito, que todo início de ano promete. Façamos então as nossas escolhas, de maneira ponderável e verdadeira, sem querer depender ou terceirizar. Quem sabe essas ações de nossos combinados possam nos fazer evoluir melhor a cada dia.

 

 

 

 

 

ÚLTIMAS DO AUTOR

A indústria do carnaval!

  • 19/02/2020 05:10

Ser o último...

  • 05/02/2020 06:07

Sr. presidente!

  • 08/01/2020 04:15
Marcos Alves Borba

Marcos Alves Borba

Marcos Alves Borba é educador físico, coach (Sociedade Brasileira de Coaching) e palestrante.

Contato: marcosaborba@hotmail.com

PUBLICIDADE