Uso de barba durante a pandemia

Infectologista André Pirajá, explica que toda superfície que tenha pelos pode ser um agravante, por isso requer cuidados em relação à higiene básica

VARIEDADES - WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

Data 22/04/2020
Horário 10:00
Cedida/Aline Martins/Alessandro Neponucemo: Recomendações são medidas de higiene básica, a qual não muda em relação à prática usual Foto: Cedida/Aline Martins/Alessandro Neponucemo: Recomendações são medidas de higiene básica, a qual não muda em relação à prática usual

Recentemente, a Sociedade Brasileira de Infectologia informou que, diante da pandemia do Covid-19, a barba pode ser um problema quando relacionada ao uso da máscara de proteção, uma vez que dificulta a vedação no rosto. De acordo com o infectologista André Pirajá, toda superfície que tenha pelos pode ser um agravante, por isso requer cuidados em relação à barba.

Hoje em dia é comum você ouvir de alguém que tem barba de que a característica, se assim podemos defini-la, já se tornou parte do seu dia a dia. Para tanto, o infectologista reforça que, quanto maior a barba, maior será a dificuldade da vedação quando o indivíduo utilizar uma máscara de proteção. “Então, caso a pessoa queira fazer uma melhor proteção individual, recomenda-se que não ter barba. Agora se a pessoa insistir em manter a barba, que ela seja a menor possível, ou seja, que não tenha tantos pelos e que, consequentemente, não dificulte a sua proteção individual”. As recomendações, segundo ele, são medidas de higiene básica, a qual não muda em relação à prática usual.

 

MÁSCARA DE

PROTEÇÃO

Quanto à eficácia da utilização correta da máscara, em nota, o Ministério da Saúde destaca que desde o início da pandemia provocada pelo novo coronavírus, uma corrida mundial em busca de máscaras de proteção fez com que elas sumissem das prateleiras. Para tanto, a pasta Federal está realizando compras de fornecedores nacionais e internacionais, em grandes quantidades, para garantir a proteção dos profissionais de saúde, que trabalham na assistência às pessoas doentes.

No entanto, a confecção de máscaras caseiras tem se tornando um fenômeno mundial e qualquer cidadão pode fazer a sua em casa. Além de eficiente, é um equipamento simples, que não exige grande complexidade na sua produção e pode ser um grande aliado no combate à propagação do Covid-19 no Brasil.

Para ser eficiente como uma barreira física, o Ministério da Saúde da saúde explica que a máscara caseira precisa seguir algumas especificações, que são simples. É preciso que a máscara tenha pelo menos duas camadas de pano, ou seja dupla face. E mais uma informação importante: ela é individual. Não pode ser dividida com ninguém. As máscaras caseiras podem ser feitas em tecido de algodão, tricoline, TNT ou outros tecidos, desde que desenhadas e higienizadas corretamente. O importante é que a máscara seja feita nas medidas corretas cobrindo totalmente a boca e nariz e que estejam bem ajustadas ao rosto, sem deixar espaços nas laterais.

 

 

 

Veja também