“Deus, pega na minha mão, porque elas precisam de nós”

Valéria Cardoso Moreira, fisioterapeuta especialista em dermato funcional

PRUDENTE - OSLAINE SILVA

Data 17/10/2021
Horário 12:25
Foto: Freepik
Valéria ajuda mulheres mastectomizadas a recuperar a autoestima
Valéria ajuda mulheres mastectomizadas a recuperar a autoestima

Trazer de volta a autoestima que foi arrancada junto com um pedaço tão íntimo e importante do corpo da mulher. Os seios, que além de ter a milagrosa e divina função de produzir o leite para alimentar seus filhos, é sim uma das partes que está mais relacionada à aparência, à sexualidade da mulher. É isso que Valéria Cardoso Moreira, fisioterapeuta especialista em dermato funcional e mestre em cicatrização de feridas vem fazendo desde 2017, em Presidente Prudente. Sem clichês, mas ela tem realizado um trabalho de micropigmentação areolar e bico em 3D, digno de aplausos, totalmente gratuito, com mulheres que tiveram câncer de mama. 

Como surgiu o interesse de se especializar nessa área? Há quanto tempo já desenvolve a técnica em Prudente?
Eu trabalho com fisioterapia em pós-cirúrgico há 26 anos e atuo na área de pós-operatório. E desde então trabalhava muito com pacientes mastectomizadas que tiveram câncer de mama e depois tiveram que fazer a retirada total do cone mamário, incluindo mamilo e aréola. E eu percebia que feito essa técnica da mastectomia as mulheres ficavam muito envergonhadas, com a autoestima bem baixa. Fui buscando então, dentro da minha área, algo que pudesse suprir essa tristeza que elas passam tanto pela cirurgia quanto pela própria doença. E foi assim que me interessei, em 2017.

Como essas mulheres chegaram ou chegam até você?
Fiz diversas parcerias como com as Amigas do Peito, inclusive, com palestras gratuitas. Já fiz visitas na área dos médicos mastologistas, oncologistas também para poder divulgar esse trabalho, que não importa o gênero ou a classe social. É para todas as pacientes que passaram por um câncer de mama, pois acho que nada mais do que justo elas terem uma mama próxima do normal. 

Quando é feito o procedimento?
Normalmente, a gente faz esse tipo de pigmentação em pessoas que fizeram a reconstrução em que colocaram próteses, após a liberação médica ou também fizeram a técnica de reposicionamento muscular. Que quem define é o médico. Então forma aquele cone novamente, mas um cone liso, sem mamilo e sem aréola. E é aí que fazemos a pigmentação em 3D, onde esse desenho artístico substitui aquela pele que foi retirada por conta do câncer de mama.

Quanto tempo leva o procedimento? Como é o pós-procedimento?
Depende muito do formato da mama. Se for somente um lado é mais rápido, em torno de 20 a 30 minutos. Mas geralmente não passa de uma hora. É uma única sessão. Durante uma semana as pacientes ficam fazendo curativo em casa. Tenho um retorno com elas depois de 30 dias pra dar uma olhada na pigmentação pra ver se pegou bem. E anualmente é interessante passar por mim, porque vai desbotando o pigmento por não ser profundo na pele, na camada dérmica superficial, não causa sangramento, nem nada.

Quantas mulheres que tiveram o câncer de mama já receberam esse atendimento em sua clínica?
Olha, desde que eu comecei a trabalhar com essa técnica na clínica, fiz umas 20 mulheres. Infelizmente, ainda são poucas as mulheres que nos procuram. Elas têm receio de mexer em algo que lhes trouxe muito sofrimento. Então, para elas terem essa vontade de tatuar um mamilo, uma aréola, a gente precisa explicar muito bem que não tem problema, que vai ficar melhor do que está. Eu até achava que teria uma procura muito maior, inclusive eu conversei com alguns médicos sobre a baixa procura e realmente eles confirmam a questão do medo, do receio de algo que trouxe muito sofrimento e piorar.

Como funciona a seleção das mulheres que são submetidas ao processo?
Elas passam por uma avaliação comigo. Eu preciso avaliar o período de tempo que já passou a mastectomia. Tem que ter pelo menos de seis meses a um ano. Que é o período que já desinchou e o médico liberou pra fazer esse tipo de técnica. Se o médico não liberar eu não faço. Após essa avaliação marcamos outro dia para um teste de pigmentação e depois a aplicação micropigmentação areolar.

E como esse trabalho pode contribuir para a restauração da autoestima dessas mulheres?
Mexeu e mexe muito comigo até hoje, essas pacientes mastectomizadas. Porque além de terem sido vítimas de um câncer, elas foram ‘mutiladas’, vamos dizer assim, um órgão tão sexualmente visível pra nós mulheres foi arrancado delas. Constantemente elas precisam fazer drenagem por conta de linfedema, que são aqueles edemas generalizados que dão no membro lesionado do lado da mama. Então não é só a baixa autoestima, mas tem outras várias causas que vêm maltratando, causando dor e tristeza nessas pacientes que passaram por esse tipo de cirurgia. Então, ao término dessa pigmentação elas ficam muito, muito emocionadas, e eu também. 

Você diria que isso é um dom que recebeu de Deus?
Eu sempre digo que como não tenho muitas dessas pacientes quando vou fazer essa pigmentação, cada uma delas é uma prática que vou adquirindo. E antes de começar, pego em suas mãos e solicito a Deus: “Deus, pega na minha mão, porque elas precisam de nós”. E quando termino a pigmentação não acredito no efeito que proporcionei à mama daquela paciente. Nem eu acredito, de tão perfeito que o desenho fica! Então, não é um dom meu. É um dom de Deus que me usa para deixar melhor a autoestima dessas mulheres que passaram por muito sofrimento durante tanto tempo na vida delas. E por conta desse sofrimento, eu não acho justo cobrar esse tipo de técnica, porque eu recebo de outra forma esse valor. Eu recebo de pacientes que estão saudáveis, que fazem cirurgias plásticas, cirurgias estéticas. Então, eu consigo receber o que eu doo para essas mulheres que não pediram para passar por isso.
 
SERVIÇO

A Clínica Valan fica na Avenida Washington Luiz, 2.325, Jardim Paulista, Presidente Prudente. O telefone para contato é 99117-3491.

Foto: Cedida

Trabalho feito por Valéria em pacientes mastectomizadas é gratuito

Veja também