"Formação: Carta de São Paulo aos Gálatas!"

Diocese Informa

COLUNA - Diocese Informa

Data 26/09/2021
Horário 05:45

Nesse último domingo do mês da Bíblia encerraremos nosso estudo sobre a Carta de São Paulo aos Gálatas. Iniciando a Carta, Paulo faz a defesa de seu ministério apostólico. Ele tem consciência de sua autoridade e missão. Uma missão que ele reconhece ter recebido de Deus e não dos homens, é a qual ele é fiel, apesar das dificuldades que tem encontrado (Gl 1,11-24). O que ele prega não é mais que o puro Evangelho. Há convergência entre a sua pregação e a do evangelho, pois são uma e mesma pregação. Além da identidade do seu evangelho com o de Cristo, outro tema da Carta e a cristologia: Cristo é Filho de Deus enviado pelo Pai com uma missão salvífica no mundo (Gl 1,3-5); Jesus realiza em si as promessas feitas a Abraão (Gl 3,8-18); com sua morte anula os pecados (Gl 1,4) e comunica a vida de Filho de Deus, ressuscitado. O homem é, por si, fraco e pecador. É carne. Mas tem em si o dom salvífico do Espírito que se torna nele um princípio operativo que o movimenta e dirige; é o Espírito a suprema Lei da Nova Aliança. A Justificação é outro tema importante na Carta. Paulo mostra a gratuidade da justificação, mediante a fé em Jesus Cristo - independentemente das obras da Lei. Abraão foi justificado pela fé em Deus e não pela observância da Lei. Aborda o tema da filiação divina do cristão por causa da fé em Cristo (Gl 4,1-31). Essa vida de filhos de Deus, livres e não escravos, e aquela que Deus prometeu a Abraão (Gl 4,21-31). O cristão goza da liberdade dada pelo Espírito que o leva a praticar a caridade e a viver coerentemente com a vida nova de filho de Deus (Gl 5,1-6.10). Esses temas (Lei, obras da Lei, justificação e Fé) são básicos nessa Carta e no pensamento paulino. São retomados e aprofundados depois na carta aos Romanos. Que tenhamos amor pela Palavra de Deus e, que ela traga vida a nossa vida, “Pois todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28d). (autor: padre Rafael Moreira Campos).

MINI SERMÃO:
26º Domingo do Tempo Comum (Mc 9,38-43.45.47-48)
Jesus nos pede tolerância e radicalidade. Tolerância para com os outros. Radicalidade para conosco, no nosso ser cristão. Corte o que é escândalo! Adube o que bom! Aquele que com aparência de santidade derruba com o exemplo, o pequeno na fé, arrependa-se logo! Jamais escandalize o que crê! Se algo causar dano a sua fé arranque fora, mesmo que a tendência do mundo seja arrancar o Evangelho para não termos que arrancar nada em nós, para não termos que nos incomodar nem mudar de vida! Prefira ir para o céu sem um amigo, do que com ele para o inferno! Deus nos livre de escandalizar! Deus nos ajude a amar! (autor: padre Rafael Moreira Campos).

AGENDA PAROQUIAL: Paróquia São João Batista – Pirapozinho.
Missas:
Sábado às 19h30 – Igreja Matriz;     
Domingo às 07h, 10h e 19h – Igreja Matriz | às 08h30 – Capela São Francisco de Assis | às 10h – Capela N. Sra. das Dores.

MENSAGEM DO PAPA:
João e os outros discípulos manifestam uma atitude de fechamento, diante de um acontecimento que não faz parte dos seus esquemas, neste caso a ação até boa de uma pessoa “externa” ao círculo dos seguidores. Ao contrário, Jesus parece muito livre, plenamente aberto à liberdade do Espírito de Deus, que na sua ação não é limitado por confim nem espaço algum. Jesus quer educar os seus discípulos, e hoje também nós, para esta liberdade interior. A atitude dos discípulos de Jesus é muito humana, deveras comum, e podemos encontrá-la nas comunidades cristãs de todos os tempos, provavelmente até em nós mesmos. Em boa-fé, aliás, com zelo, gostaríamos de proteger a autenticidade de certa experiência, tutelando o fundador ou o líder contra os falsos imitadores. Mas, ao mesmo tempo, há como que o medo da “concorrência” — e é feio ter medo da concorrência — que alguém possa subtrair novos seguidores, e então não conseguimos apreciar o bem que os outros praticam: não está bem, porque “não é dos nossos”, diz-se. É uma forma de autorreferencialidade. Aliás, aqui está a raiz do proselitismo. E a Igreja — dizia o papa Bento — não cresce por proselitismo, mas por atração, isto é, cresce pelo testemunho dado aos outros, mediante a força do Espírito Santo. (Fonte: www.vatican.va/content/francesco/pt/angelus/2018)


Padre Rafael Moreira Campos    
Vigário da Paróquia São João Batista – Pirapozinho/SP
"Ouse ser o melhor. Ame!"
Instagram @padrerafaelmoreira

Veja também