“Magnésio: o supermineral”

DignaIdade

COLUNA - DignaIdade

Data 12/10/2021
Horário 07:00

O magnésio é um elemento químico, um metal alcalinoterroso que representa o oitavo elemento mais comum na Terra, e também um dos minerais mais importantes no funcionamento do nosso organismo. A maior concentração de magnésio no corpo humano se encontra nos ossos e nos dentes, mas também é um elemento fundamental para os nervos (tanto os periféricos como o cérebro) e músculos. O magnésio é fundamental para um grande conjunto de reações químicas e enzimáticas fundamentais para as células humanas (dentre elas o metabolismo da glicose e da insulina, a regulação da pressão arterial, metabolismo energético, contração muscular e condução do impulso nervoso), portanto, é indispensável na alimentação. A necessidade diária de magnésio varia entre 300 a 350 mg (miligramas), quantidade que pode ser obtida facilmente, devido ao fato dele se encontrar em praticamente todos os alimentos, estando em altas concentrações nas folhas verdes, sementes, nozes, leguminosas e cereais integrais. A ingestão de cálcio, vitamina D e proteínas leva a aumento da necessidade de magnésio diário. A baixa quantidade de magnésio no organismo (principalmente em alcoolismo, diabetes, desnutrição, dietas rigorosas e uso de diuréticos) pode provocar sintomas como perda de apetite, oscilações da pressão arterial, insônia, irritabilidade, osteoporose, aumento da calcificação das artérias e cálculos renais. O magnésio desempenha papel primordial em praticantes de atividades físicas, pois auxiliam na contração muscular eficaz, melhorando a performance física e evitando câimbras. Tem também propriedades de proteção ao tecido cartilaginoso e auxilia na manutenção da adequada acidez digestiva e funcionamento intestinal. A suplementação de magnésio pode ser feita de forma medicamentosa, quer seja em polivitamínicos (associado a outras vitaminas e sais minerais) ou de forma isolada, necessitando de avaliação médica criteriosa. 
 
TÚNEL DO TEMPO: À SOMBRA DE UMA DÚVIDA
Difícil escolher o melhor filme do diretor inglês Alfred Hitchcock, o mestre do suspense, no entanto, “À Sombra de uma Dúvida” (Shadow of a Doubt) era o seu preferido. Rodado em 1943 em preto e branco, a trama trazia a história de Charlie Oakley (Joseph Cotten), o tio Charlie que vinha morar no interior na casa da irmã. A sua sobrinha e xará Charlie (Teresa Wright) fica encantada com o tio, a quem idealiza como um homem experiente e charmoso. Porém, aos poucos, a garota começa a desconfiar das atitudes do perfeito tio, e ela tem razão, pois ele é um serial killer de viúvas. A dúvida entre a suspeita e a idealização, faz a garota passar a investigar por conta própria e enfrentar seus medos. Um megaclássico do suspense, com cenas incríveis em uma viagem de trem. Não é seu filme mais famoso, e ele não contou com grandes astros, mas sem dúvida, é um filme grandioso.

 

Dica da Semana

Livros 

“Rogéria: Uma Mulher e mais um Pouco”: 
Autor: Márcio Paschoal. Editora Estação Brasil. Biografia de Rogéria, e o seu pioneirismo nas artes do Brasil. O livro conta detalhes da vida íntima e artística de Astolfo Barroso Pinto, que ficou conhecida como Rogéria, o maior transformista do Brasil. Seu início como maquiador e a estreia nos palcos em plena Ditadura e o sucesso tanto no Brasil como em outros países. Um ícone: o travesti da família brasileira. 

José Eduardo Soares Pinheiro
 

Veja também