"Nem o Português escapa da CIA"

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista que dança conforme o funk

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 29/06/2021
Horário 07:44

Depois de receber uma denúnCIA, a PolíCIA prendeu o suspeito de perturbar o sossego público com sua motocicleta roncadora e o levou para a delegaCIA. Após ouvir o elemento, como se diz no jargão poliCIAl, o delegado chegou à conclusão de que o homem preso não era da alta roda, ou seja, não pertencia ao estrato social conhecido como aristocraCIA. 
Por falar nisso, muitos Aris também não são da aristocraCIA, entre eles o meu amigo Ary Toledo. Ainda sobre o elemento, o delegado concluiu que ele também não fazia parte da plutocraCIA. O suspeito, no entanto, estava bem vestido, com jeitão, digamos, de espião à la James Bond.
E sabem como é: espião costuma portar cápsulas de CIAnureto ou de CIAneto, que é tão letal como o primeiro, segundo os especialistas no assunto. Por causa do jeitão de espião do indivíduo(eta palavrinha horrorosa!)o delegado decidiu revistá-lo de baixo a cima e de cabo a rabo.
Queria saber se ele carregava no bolso as cápsulas mencionadas. Cápsula venenosa não foi achada. O policial, no entanto, encontrou um remedinho que "acorda o adormecido". 
O delegado até ficou surpreso ao achar uma caixa de CIAlis no paletó do suspeito, que era um garotão sarado e, na visão do policial, um sujeito assim não precisa lançar mão do CIAlis ou do seu primo Azulzinho.
Depois, o rapaz contou que era ator pornô e, por isso, não dispensava uma ajudinha de um remedinho na hora do "pega pra capar", que, aliás, era o seu ganha-pão. Sabem como é: na hora H e de outras letras, o "bicho", às vezes, só pega no tranco, ou seja, com a ajudinha citada acima.
Com o fim do interrogatório e da revista, o delegado botou o sujeito na cela. Logo ele adormeceu. Acordou no meio da noite e chamou o carcereiro, a quem reclamou de dores. "É uma crise de CIÁtica", contou o preso.
Pediu ao carcereiro uma baCIA com água quente, substânCIA que parecia ser uma extravagânCIA. "Quando isso me ataca amenizo as dores com compressa", explicou. Prestativo e sem burocraCIA, o carcereiro trouxe a baCIA e até ajudou o rapaz a fazer a compressa.
Aliviado, o sujeito voltou a dormir. Na manhã seguinte, ele tomou café com leite, pão e manteiga. Mais tarde, coisa de meio-dia, foi servido o almoço. Depois de devorar a quentinha, serviram-lhe a sobremesa, queijo com goiabada ou Romeu e Julieta, iguaria que não rende direitos autorais aos herdeiros de Shakespeare.
Para surpresa do carcereiro, o rapaz dispensou a sobremesa. O "anfitrião" quis saber o motivo da recusa. O cara, que se chamava GarCIA,  passou a mão no topete e emendou: "Prefiro melanCIA". E arrematou no pedido: "MelanCIA de CIAnorte, que é uma delíCIA".
  
DROPS

Quem paga para ver tem dinheiro sobrando.

Quem ama o feio precisa de óculos.

Quem não arrisca não belisca.

Quem canta seus males encanta.

Veja também