Assim nasceu Presidente Prudente

OPINIÃO - Saulo Marcos de Almeida

Data 14/09/2021
Horário 04:30

Louvores a Marcondes e a Goulart 
Que aqui vieram para desbravar 
Este rincão, 
Do meu coração, 
Cantando em prosa e verso 
Hoje nesta canção.

O ano de 1917 corresponde à fundação da cidade de Presidente Prudente (na altura das nascentes do Ribeirão Santo Anastácio), alguns anos após a proclamação da República quando o que mais se desejava no Brasil era a sua modernização com a finalidade de fomentar de forma urgente a industrialização.  
Pensando ainda a conjuntura nacional observa-se à época a trilha do café pelos espigões do extremo oeste do Estado de São Paulo tendo como condução a Estrada de Ferro Sorocabana. A busca de solos virgens para o grão preto, a especulação com terras e a colonização pelo loteamento de grandes glebas resumem o povoamento da Alta Sorocabana e a gênese de nossa cidade. 
Jorge Luiz Mariano atribuiu à cidade o título: Filha dos coronéis. Visualizava-se de um lado, a posição pioneira do Coronel Francisco de Paula Goulart que almejava fazer aqui uma cidade. Do outro, o Coronel José Soares Marcondes que tinha na Alta Sorocabana a oportunidade da especulação de terras. 
Pode-se dizer então, que os núcleos urbanos (Pirapó-Santo Anastácio e Montalvão) surgiram como postos de apoio para a exploração econômica da região. Assim, a cidade de Presidente Prudente teve seu início a partir desses eixos urbanos criados para amparar as vendas de terras feitas pelo Coronel Francisco de Paula Goulart e o Coronel José Soares Marcondes, que foram os responsáveis por sua fundação e sistemática colonização. Aqui a explicação também para o surgimento da Vila Goulart e Vila Marcondes, povoamentos que o município englobou como Presidente Prudente. 
Também se explica a famosa Estrada de Ferro Sorocabana que atravessou os sertões do Sudoeste em busca do Rio Paraná. Então, em janeiro de 1919, dava-se início à pequena estação de Presidente Prudente inaugurando o tráfego de trens. A instalação deu condições à vida, aumentando a população, fortalecendo o comércio do local e região e surgindo a necessidade de um governo local que administrasse o povoado. Esse processo administrativo da cidade não poderia ficar sem o conflito dos coronéis, assim: entre 1923 a 1925 os Goularistas; 1926 a 1930 os Marcondistas. Quaisquer semelhanças com o Brasil de então não eram coincidências. 
Em fins da década de 1930, já se notava as características da expansão da cidade que se estendia em direção à Vila Goulart. Ainda na década de 1930, a cultura de grãos fez aparecer novas indústrias na região, como a produção e o beneficiamento do algodão, amendoim e mamona que tiveram grande importância no processo de urbanização da cidade. Presidente Prudente tornou-se o centro de comercialização desses produtos. Desta forma, a expansão territorial que se intensifica na década de 30, mantendo-se até a década de 40 e início de 50. 
 Além das grandes indústrias de grãos, a cidade era constituída exclusivamente por pequenas oficinas e fábricas domésticas.
Há tanta coisa pra dizer dessa cidade tão linda e generosa! Deus abençoe Presidente Prudente, hoje e sempre! 
 

Veja também