Publicidade

Cadê o Trabalho?

O Espadachim, um cronista que tira o sombrero para profissionais da saúde que não medem esforços para combater o coronavírus

OPINIÃO - Sandro Villar

Data 16/07/2020
Horário 05:40

No começo imaginei que tudo seria mentira, mais uma fake news, mas não é. Só me dei conta da situação depois de ler a matéria do jornalista Antonio Temoteo, do UOL, sobre as medidas que deverão ser sugeridas pelo senhor Paulo Guedes que, se adotadas, prejudicarão sobremaneira os trabalhadores. Inacreditável! Que drama!
O ministro da Economia quer o fim do salário mensal e, com isso, o trabalhador receberia por hora. Isso mesmo: nada de salário mensal e, sim, salário por hora. Férias remuneradas? Sua Excelência também quer acabar com o benefício. 
O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, consagrado pela sigla FGTS, também está na mira. De acordo com as sugestões, o FGTS simplesmente seria extinto. Nem a ditadura militar chegou a tanto. O Fundo é, por assim dizer, a única "fortuna" que o trabalhador mantém "guardadinha" na Caixa Econômica Federal.
Como desgraça pouca não é bobagem, a equipe econômica também quer ferrar ainda mais os trabalhadores. Os tecnocratas, com Guedes à frente, chegaram à conclusão de que os trabalhadores não precisam receber - pasmem! - o 13º salário e, claro, propõem a extinção desse salário tão esperado no fim do ano.
O que que há? Esses energúmenos enlouqueceram? Isso é uma louca cavalgada rumo ao suicídio social. Essa gente não tem coração. É cruel e desumana. É preciso matar isso ainda no ninho. Até prova em contrário, o capitalismo sobrevive de consumo e quanto mais consumo, melhor.
Um grande empresário já alertou que um trabalhador desempregado é um consumidor a menos. Ele tem razão. Apenas acrescento que um trabalhador com renda precária também torna-se um consumidor a menos. 
Não tenho nenhum problema com o capitalismo, mas este sistema econômico, que não tem concorrente no Ocidente, precisa se humanizar pelo menos um pouquinho para beneficiar vastas parcelas da população, gerando riqueza, emprego e consumo. Capitalismo para todos. Ou para quase todos, o que já estaria de bom tamanho.
Aliás, sobre isto vale lembrar o camarada chinês Deng Xiao Ping:"Não importa a cor do gato. O que importa é que cace o rato". Ele disse também que a China abriu uma janela para o capitalismo, mas não a porta. Talvez a janela já seja suficiente para o gigante chinês.
Já no Brasil querem fechar até a janela e, se isso de fato ocorrer, pobre tende a desaparecer neste país, como previu o fabuloso Stanislaw Ponte Preta, o nosso cronista maior.

DROPS

O Brasil precisa de humanidade.
(Betty Faria no programa do Bial)

Azar é o sujeito nascer judeu na Alemanha Nazista, preto no Sul dos EUA e pobre no Brasil.

Se a coisa continuar desse jeito, irá tudo pro vinagre e outros condimentos.

A esperança é a antepenúltima que morre.

Sandro Villar é jornalista e radialista; autor do livro “As 100 Melhores Crônicas de Humor de SV” (Editora Alta Books – RJ). E-mail: sandro.villar@hotmail.com
 

Veja também