Compostos bioativos para saúde

Jair Rodrigues Garcia Júnior

Vamos mudar o foco! Sugiro que faça uma análise crítica dos perfis que você segue de nutricionistas, profissionais de saúde e influencers “leigos(as)” que postam sobre alimentação. Os temas são low carb, cetogênica, jejum intermitente, suplementos, emagrecedores naturais, banha de porco, óleo de coco, manteiga clarificada etc? Sinceramente, se estiver buscando benefícios para saúde ou desempenho, há alimentos e informações 100 vezes mais relevantes.    

FITOQUÍMICOS
São os compostos bioativos dos vegetais que pode ser considerado como um “bônus de saúde”, pois são adicionais aos nutrientes que estes alimentos nos fornecem. São dezenas de moléculas organizadas em classes, como carotenoides, compostos fenólicos (flavonóides), glicosinolatos etc. São encontrados nos vegetais de cores vivas (mamão, tomate, uva etc) e também nos de cores claras ou brancos (alho, cebola, repolho etc).

BAIXO CONSUMO
Uma tese de doutorado, concluída recentemente na Fac. de Ciências Farmacêuticas da USP, analisou o consumo dos compostos bioativos em 34 mil pessoas. Demonstrou que o consumo médio dos brasileiros é bem baixo em comparação aos países desenvolvidos: apenas 24% do ideal para carotenoides e compostos fenólicos, e apenas 3% do ideal para glicosinolatos (presentes em vegetais com sabor picante e no repolho, couve-flor, brócolis etc).

PADRÃO ULTRAPROCESSADO
O comportamento que já foi considerado como modernização e evolução, com crescente consumo de fast food e alimentos prontos para desembalar, aquecer e comer (ultraprocessados), na realidade foi uma involução da alimentação e saúde. Os resultados mais assustadores da vigência deste padrão nos últimos 40 anos são: menos de 10% dos brasileiros consumem o mínimo de 400 g/dia de hortaliças e frutas (recomendação da OMS), e 62% dos brasileiros tem sobrepeso.

EVOLUÇÃO
 É consumir regularmente tomate (contém licopeno) e, melhor ainda, optar pelo tomate alterado para produzir um peptídeo que reduz o LDL colesterol (mau). Ou consumir o leite de vacas alimentadas com adição de óleos de soja e linhaça, que “sai de fábrica” com mais ácidos graxos ômega-3 e 6, benéficos para a saúde. Estes dois alimentos ainda não estão disponíveis no mercado, mas há vários vegetais e fermentados (iogurte, kefir) ricos em compostos bioativos.

PROPRIEDADES
Os compostos bioativos têm propriedades antioxidante, anti-inflamatória, anti-plaquetária, vasodilatadora e anticarcinogênica, o que precisamos para evitar as doenças crônicas e desacelerar o envelhecimento (além do exercício físico). Não por acaso, populações que consomem dietas com abundâncias de vegetais e menos produtos animais (ex. dieta mediterrânea) são mais saudáveis e longevas. Isso posto, continuar com foco em perfis e temas de menor relevância, mencionados no início, é opção individual.

Há vários vegetais e fermentados (iogurte, kefir) ricos em compostos bioativos.

 

 

 

Veja também