Desvio de carga: quadrilha é alvo de 2ª fase de operação da Polícia Civil

Ação comandada pelo 1º DP de Rosana-Primavera ocorre simultaneamente em quatro Estados; em junho, 36 integrantes foram identificados e indiciados por furtos qualificados e falsa comunicação de crime

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 02/09/2021
Horário 10:48
Foto: Polícia Civil
 Operação da Polícia Civil ocorre simultaneamente em vários Estados
Operação da Polícia Civil ocorre simultaneamente em vários Estados

Uma operação interestadual comandada pelo 1º Distrito Policial de Rosana-Primavera mobiliza hoje uma força-tarefa nos estados do Pará, Minas Gerais, Pernambuco e Rio de Janeiro. Os alvos são supostos integrantes de uma organização criminosa voltada a furtos de cargas e falsas comunicações de crimes, e que estão relacionados com a primeira fase da operação, deflagrada em junho.

Batizada de Nêmesis (deusa da mitologia grega que representa o destino, o equilíbrio e a justiça Divina), a operação cumpre seis mandados de prisão preventiva, cinco deles expedidos pela Comarca de Rosana. Segundo a polícia, elas foram decretadas pelo Poder Judiciário após a conclusão das investigações anteriores que resultaram na identificação de 36 integrantes dessa organização criminosa.

De acordo com a Polícia Civil, na operação desarticulada no dia 23 de junho, os investigados foram indiciados pela prática dos crimes de organização criminosa, furtos qualificados e falsa comunicação de crime - 7 deles tiveram suas prisões preventivas decretadas. Na época, também foram cumpridos 57 mandados domiciliares e o sequestro de mais de 100 veículos, totalizando R$ 7 milhões.


Polícia Civil - Equipes cumprem seis mandados de prisão preventiva 

Desvio de cargas

Conforme noticiado por O Imparcial, o grupo criminoso foi responsável pelo desvio de cerca de 200 cargas em todo o Brasil, o que gerou prejuízo estimado de R$ 100 milhões. Os motoristas eram cooptados e, após carregarem legitimamente cargas, em específico de soja e ferragens, desviavam essas cargas e as entregava aos receptadores.

Na sequência, os motoristas compareciam aos distritos policiais e delegacias de polícia, principalmente em São Paulo, onde noticiavam uma falsa ocorrência de roubo, sendo que na maioria das vezes relatavam terem sido mantidos em cárcere por horas ou dia.

“Durante as investigações, analisando os relatos dos noticiantes, a Polícia Civil conseguiu desconstruir seus relatos empregando meios de investigação tecnológica”, explica.

Conforme a investigação, a maior parte dos investigados são de Minas Gerais e Goiás. “Espera-se que com o cumprimento dessas prisões, a organização criminosa seja completamente desmantelada, cessando assim as práticas delitivas”, afirma a Polícia Civil.

“O desmantelamento dessa organização criminosa se traduz no alcance de equilíbrio ainda maior nas estatísticas criminais, que já são positivas, possibilitando um melhor gerenciamento dos recursos e da atuação policial, à medida que se mostra que parte dos roubos de carga registrados eram, na verdade, falsas comunicações de crime”.

Veja também