Dia do padre!

Diocese Informa

COLUNA - Diocese Informa

Data 01/08/2021
Horário 05:00

Sou padre há exatos 90 dias. Tempo suficiente para dizer: é bom ser padre!  No próximo dia 4 de agosto celebraremos a santidade de vida do patrono de todos os padres, São João Maria Vianney, conhecido por Cura D’Ars. Será o dia do padre! Será meu primeiro dia do padre, sendo padre. Quero aqui cumprimentar todos meus irmãos padres e desejar muita constância na caminhada e, que nada nos furte o anseio de sermos homens que evangelizam com uma vida de compaixão, misericórdia e amor. Sem medo propaguemos o Amor de cruz. Se formos amaldiçoados, vamos abençoar; se formos perseguidos, vamos suportar; se formos caluniados, vamos consolar. Não é à toa que nos propomos seguir O Cristo! Escolher por Jesus gera consequências muito concretas e, por vezes, dolorosas em nossa vida ministerial! Jamais seja mínimo o Amor que se aniquila para dar vida a outros. Não falte a nenhum de nós ânimo na missão. Ser padre é mostrar que o tesouro do cristão não está na terra, mas nos céus. O padre deve com frequência testemunhar que veio a esse mundo para amar. O amor que brota de um padre é o mesmo Amor cuja fonte é o coração de Jesus. Diz o Cura D’Ars que: “Quem foi que colocou Jesus no sacrário? O padre. Quem foi que recebeu nossa alma à entrada da vida? O padre. Quem a alimenta para lhe dar força de fazer sua peregrinação? O padre. Quem a preparará para comparecer perante Deus, lavando a alma pela última vez no sangue de Jesus Cristo? O padre, sempre o padre. E se alma vier a morrer, quem a ressuscitará, quem lhe dará a calma e a paz? Ainda o padre. O Sacerdote não vive para si, mas para nós, comunidade”. Se em sua comunidade existe um padre, reze sempre por ele. Queridos irmãos padres, sejamos padres que sejam padres. Nada mais do que isso! Que Cristo Jesus nos abençoe, nos conceda a graça da fecundidade espiritual e nos faça cada vez mais santos e dedicados pastores do rebanho do Senhor! (autor: padre Rafael Moreira Campos).

 

MINI SERMÃO:
18º Domingo do Tempo Comum (Jo 6,24-35)
Ao invés de Deus feito carne, preferimos pão que deixa migalhas. É triste quando Jesus é pouco para o apetite de alguns. Para quem crê, Jesus é plenamente suficiente. Muitos procuram por um Jesus que resolva os problemas terrenos. Ele pode saciar a nossa fome de verdade, a nossa fome de justiça, a nossa fome de amor. Nossa fome só poderá ser saciada no banquete eucarístico. Senhor, dá-nos sempre desse pão! (autor: padre Rafael Moreira Campos).
 

AGENDA PAROQUIAL: Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Regente Feijó.
Missas:
Sábado às 18h30 – Igreja Matriz | 20h – Capela São Brás
Domingo às 8h e às 18h30 – Igreja Matriz.

 

MENSAGEM DO PAPA:
Além da fome física o homem tem em si outra fome — todos nós temos esta fome — uma fome mais importante, que não pode ser saciada com um alimento qualquer. Trata-se da fome de vida, da fome de eternidade que só Ele pode satisfazer, porque é “o pão da vida”. Jesus não elimina a preocupação nem a busca do alimento diário, não, não elimina a preocupação de tudo o que pode tornar a vida mais progredida. Mas Jesus recorda-nos que o verdadeiro significado da nossa existência terrena consiste no fim, na eternidade, consiste no encontro com Ele, que é dom e doador, e recorda-nos também que a história humana com os seus sofrimentos e as suas alegrias deve ser considerada num horizonte de eternidade, ou seja, no horizonte do encontro definitivo com Ele. E este encontro ilumina todos os dias da nossa vida. Se pensarmos neste encontro, neste grande dom, os pequenos dons da vida, também os sofrimentos, as preocupações serão iluminadas pela esperança deste encontro. “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede”. (Fonte: www.vatican.va/content/francesco/pt/angelus/2015)

 

 

Veja também