Doação de leite humano pode ser feita de forma segura durante a pandemia

Procedimentos e rotinas no Banco de Leite estão de acordo com as normas nacionais para prevenir a infecção e propagação da Covid-19

Geral - DA REDAÇÃO

Data 26/08/2020
Horário 12:00
ABr - Além de salvar vidas, doação beneficia a mulher, que produz mais leite, e reduz riscos de doenças ABr - Além de salvar vidas, doação beneficia a mulher, que produz mais leite, e reduz riscos de doenças

Fundamental para a sobrevivência, o leite humano aumenta a imunidade e oferece boa qualidade de vida aos bebês. Para auxiliar as mães que não têm condições de amamentar os filhos ou recém-nascidos prematuros, os Bancos de Leite Humano do Estado participam de doações de mães solidárias que, mesmo sem leite em excesso, podem doar, o que não prejudica em nenhuma hipótese o aleitamento dos próprios bebês.

Além de salvar vidas, a doação beneficia a mulher, que produz mais leite, reduz o risco de câncer de mama, de ovários, evita a osteoporose e apresenta menos sangramento, de acordo com especialistas.

Neste mês, o incentivo à amamentação, à doação de leite humano e a conscientização das mães ao aleitamento ganham ainda mais espaço, com a campanha Agosto Dourado em todo o Brasil.

Doação em período de pandemia

A doação de leite humano é segura e o processo de pasteurização inativa o coronavírus. Os procedimentos e rotinas no Banco de Leite estão de acordo com as normas nacionais para prevenir a infecção e propagação da Covid-19.

A pasteurização representa uma alternativa eficaz, praticada no campo da tecnologia de alimentos e conhecida há muito tempo. Vale destacar que se trata de um tratamento térmico aplicável ao leite humano, que adota como referência a inativação térmica do microrganismo mais termorresistente, a Coxiella burnetti.

“Doar leite é seguro no momento de pandemia. Revisitamos todos os nossos processos dentro de um banco de leite. Nós vamos até a casa da doadora, mantendo todos os procedimentos de segurança para evitar a propagação do vírus”, explica Andrea Spinola, coordenadora do Banco de Leite da Maternidade Leonor Mendes de Barros.

“Recebemos doações tanto internas, de mães de bebês internados na unidade neonatal, quanto as mães que estão com os filhos em casa e têm o excedente de leite. A doação é classificada, selecionada e distribuída conforme as necessidades dos receptores”, completa.

Todas as orientações a serem seguidas para doar leite materno podem ser acessadas pela internet.

As moradoras de São Paulo podem consultar os endereços dos bancos de leite pelo site: https://rblh.fiocruz.br/localizacao-dos-blhs (a usuária deve filtrar a pesquisa para a cidade desejada).

SAIBA MAIS

Em campanha solidária, Carim troca máscaras por leite

Quarentena faz reduzir doações de leite materno

Veja também