FCT/Unesp fará digitalização do acervo histórico de O Imparcial 

Procedimento prevê ampliar e democratizar acesso por meio da internet às histórias de Prudente e região contadas nas páginas do periódico entre 1969 e 1984; processo terá início no segundo semestre

PRUDENTE - CAIO GERVAZONI

Data 03/07/2022
Horário 04:02
Foto: Caio Gervazoni/O Imparcial
Arquivista, Ian Damasceno, diretora da biblioteca da FCT/Unesp, Alessandra Kuba Oshiro Assunção, e professor Ricardo Pires de Paula conversaram com O Imparcial sobre projeto de digitalização do acervo 
Arquivista, Ian Damasceno, diretora da biblioteca da FCT/Unesp, Alessandra Kuba Oshiro Assunção, e professor Ricardo Pires de Paula conversaram com O Imparcial sobre projeto de digitalização do acervo 

A FCT/Unesp (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista), campus de Presidente Prudente, irá digitalizar parte do acervo físico do Jornal O Imparcial nos próximos meses, de modo a ampliar e facilitar o acesso, por meio da internet, da população às histórias de Prudente e região contadas nas páginas do periódico entre os anos de 1969 e 1984. Ao ser digitalizada, a coleção será publicada no site da biblioteca digital da Unesp. Para conferir o material não será necessário cadastro, a pessoa interessada bastará estar conectada à rede mundial de computadores para ter acesso ao material.  
O projeto faz parte do programa “Unesp Presente”. A ação prevê uma série de investimentos no retorno às atividades presenciais nos 24 campi da universidade difundidos pelo Estado de São Paulo. No campus de Presidente Prudente, o edital incide sobre a valorização do vasto acervo da Biblioteca "Prof. Dióres Santos Abreu", da FCT/Unesp. Segundo o campus de Prudente, uma empresa terceirizada venceu o processo de licitação e irá executar o procedimento ao longo do segundo semestre deste ano. 
De acordo com a atual diretora da Biblioteca da FCT/Unesp, Alessandra Kuba Oshiro Assunção, a unidade possui um acervo de O Imparcial que vai de 1969 até 2022. “Aqui na biblioteca, temos a coleção de jornais de 1994 até os dias atuais e, no outro prédio da faculdade, no Jardim Morumbi, temos de 1969 a 1993”, relata.
Segundo Alessandra, o interesse de digitalizar as páginas impressas de O Imparcial surgiu da alta demanda de consulta ao periódico por parte da comunidade acadêmica - não só dos cursos de Arquitetura, Pedagogia e Geografia da Unesp, mas também das graduações de Jornalismo e História da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista). “A gente pensou em O Imparcial porque temos uma coleção mais completa, ampla e também por ser o mais consultado entre os outros títulos locais”, descreve Alessandra. “Além dos universitários, há uma procura da comunidade externa, às vezes para consultar ou procurar, por exemplo, algum processo judicial”, acrescenta. 
“Penso que a questão da escolha de O Imparcial é justamente pela resistência dele no tempo. Na verdade, se você pegar no Brasil, hoje quantos jornais tem o tempo de vida que tem O Imparcial?”, realça o historiador Ricardo Pires de Paula, professor do Departamento de Geografia da FCT/Unesp. “Ele é uma importante fonte de pesquisa para várias áreas do conhecimento. O Imparcial é uma rica fonte de informações para quem quer conhecer a região”, completa Ricardo, que utilizou a imprensa como uma fonte de pesquisa histórica em sua dissertação de mestrado “Contestações à nação: um estudo do movimento separatista O Sul é o meu país [1990-1997]” e de doutorado “Entre o sacerdócio e a contestação: uma história da Apeoesp [1945-1989]”. 
Sinomar Calmona, diretor de O Imparcial, recebeu a notícia com gratidão. Segundo ele, os fatos mais importantes dos 83 anos da história de Presidente Prudente e região estão registrados e documentados nas páginas do jornal O Imparcial e, além de democratizar o acesso, a digitalização encabeçada pela FCT/Unesp possibilitará à toda comunidade poder estudar e conhecer a história de Prudente e região, com esse acervo histórico. “A diversidade de publicações de O Imparcial permite uma pluralidade de pensamentos que enriquece as pesquisas de quem quer conhecer um pouco mais da história de nossa cidade”, avalia Sinomar. 

Higienização do material

Um processo importante antes da digitalização do acervo físico é a higienização de todo o material. O arquivista do CEMOSi (Centro de Memória, Documentação e Hemeroteca Sindical ‘Florestan Fernandes’), Ian Damasceno, irá coordenar junto a uma equipe de bolsistas esta técnica e relata que todo procedimento tem como base a regulamentação norteada pelo Conarc (Conselho Nacional de Arquivos).  

Acesso à informação

Na perspectiva de Ian, a digitalização do acesso à coleção de O Imparcial é um facilitador da democratização do acesso à informação. “Pessoas de qualquer lugar daqui do Pontal ou do Brasil, que tiverem curiosidade ou por pesquisa poderão encontrar este material. Além de democratizar o acesso, a digitalização facilita a busca e resposta da informação, porque um dos formatos que vamos estar digitalizando é o PDF pesquisável, o OCR”, explica. Segundo o arquivista, a pessoa poderá pesquisar por meio de data, escritores ou apenas digitar uma palavra de sua escolha no arquivo do jornal digitalizado. “Basta apertar o CTRL+F e pesquisar”, termina.   

Veja também