Futuro das cidades nas nossas mãos

GRAZIELA FERNANDES

COLUNA - GRAZIELA FERNANDES

Data 15/11/2020
Horário 03:38

Votar é um exercício de cidadania, não simplesmente uma obrigação legal. O futuro das cidades do oeste paulista está nas mãos de seu eleitorado. Homens e mulheres que escolherão os prefeitos e vereadores das cidades de nossa região. Decidir em quem votar requer reflexão, análise minuciosa das plataformas de governo que cada candidato majoritário – prefeito – apresenta para as nossas cidades e, para os cargos de vereadores, destinarmos as cadeiras do Legislativo para cidadãos que possam exercer verdadeiramente seu papel, que é de fiscalizar os atos do Executivo.

Diga não á compra de votos

Uma coisa é certa, não barganhe seu voto. Não aceite combustível, botijões de gás, cestas básicas, nada em troca do poder que tem em mãos, que é o de decidir o futuro das nossas cidades. Quando o eleitor aceita barganhar o voto, está sendo conivente com uma fraude que vai além das eleições. Pense sempre que, se eleito, este mesmo candidato que usa a corrupção para vencer uma eleição também não pensará duas vezes para usá-la na administração da sua cidade.

Responsabilidade não termina após o pleito

Pelo contrário, só começa. Os candidatos eleitos, ainda que não sejam o de nossa escolha, devem ter sua administração acompanhada. Como cidadãos devemos observar os atos dos prefeitos e vereadores, cobrar e reivindicar, sempre que pertinente, melhorias para nossas cidades.

Candidato x Auxílio emergencial

Esta semana foi divulgada pelo TCU (Tribunal de Contas da União) a lista de candidatos às eleições municipais que podem ter recebido auxílio emergencial de forma indevida. Na região são 63 candidatos em 33 cidades, um deles de Pirapozinho, que, de acordo com o TCU, declararam patrimônio igual ou superior a R$ 300 mil. Ainda de acordo com o órgão, os casos demonstram indícios de que a renda dos integrantes desta lista é incompatível com as regras do programa. Cabe agora ao Ministério da Cidadania apurar caso a caso e, identificada a irregularidade, caberá somente ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) confirmar se há ou não crime eleitoral.

Olhar do MP para a volta ás aulas

O promotor de Justiça, Marcos Akira Mizusaki, começou a visitar as escolas particulares de Presidente Prudente, a fim de constatar a implementação de protocolos sanitários que permitam o retorno presencial de alunos. A ação, realizada com a participação dos técnicos do NAT (Núcleo de Assessoria Técnica Psicossocial), do Ministério Público, e apoio da Vigilância Sanitária, ocorre após decreto municipal tornar facultativo às escolas particulares a volta de atividades presenciais. Mizusaki solicitou à Vigilância Sanitária a realização de visita em todas as escolas particulares e também nas públicas municipais, com o intuito de assegurar que o retorno presencial seja feito com segurança para os alunos e trabalhadores. 

Adequação das escolas

Apesar de as escolas públicas não terem retomado as aulas presenciais, o promotor de Justiça pretende que seja garantida a realização de adequação dos espaços antecipadamente ao retorno, previsto para 2021. O Geduc (Grupo de Atuação Especial de Educação) em Presidente Prudente segue acompanhando o retorno presencial tanto no município quanto nos 27 demais integrantes de sua área de abrangência. Uma importante iniciativa do MP, que esperamos que chegue às cidades da região de Pirapozinho, para garantir o retorno das aulas presenciais com segurança para alunos, pais e educadores.

Crime contra consumidor 

Esta semana, o dono de um açougue foi preso em flagrante em Tarabai por manter o estabelecimento em funcionamento de forma clandestina. As polícias Civil e Científica, juntamente com a Vigilância Sanitária, encontraram carnes inapropriadas para o consumo. As investigações continuam. Bom domingo e compareça às urnas, vote com consciência. O futuro de nossas cidades depende de nós.

Veja também