Mal estar da civilização e a Independência

OPINIÃO - Saulo Marcos de Almeida

Data 07/09/2021
Horário 05:50

Nada melhor do que a história endossada pelo tempo para elucidar e interpretar a caminhada humana ao longo de sua travessia no mundo chamado civilizado. 
Uma das narrativas mais significativas na história do ocidente, dividindo o período medieval dos tempos modernos, teve como protagonista inicial Nicolau Copérnico e sua grande descoberta científica: o heliocentrismo. 
Mas, pensar no reverso do que se pensa, pode não ser o caminho para se estabelecer a verdade e, sobretudo, manter a vida. Copérnico não lera até então, Fernando Pessoa: Pensamento é doença dos olhos. 
Era dogma em tempos medievais acreditar que o centro do universo era a terra e que tudo girava ao seu redor. Dogmas não podem e não devem, sob hipótese alguma, ser questionados muito menos mudados à revelia de um humano, ainda que religioso. 
Copérnico faleceu sem o reconhecimento de sua teoria. 
Galileu, que bebera nas fontes copernicanas foi condenado a retratar-se e não ser morto pela inquisição. 
Mas foi Halley quem de fato dividiu as águas e fez simbolicamente a transição do período das trevas para a luz (iluminismo). O que se sabe é que o astrônomo viu o céu de Londres todo iluminado por alguma entidade celeste jamais vista. Em seguida, entrou em seu laboratório e ficou à noite toda fazendo cálculos matemáticos sem quaisquer instrumentos óticos. No dia seguinte, reuniu-se com a comunidade científica e com precisão informou que aquele astro haveria de cruzar o céu novamente em 77 anos. O cientista, claro, morreu antes. Mas, exatos 77 anos depois, o cometa que levou seu nome voltou a iluminar a cidade, sinônimo da modernidade (apogeu da razão) e que haveria de trazer avanços capazes de solucionar todas as questões humanas e aliviar os seus sofrimentos também. 
Então, as sucessivas e exitosas revoluções... A industrial otimizando a mão de obra humana e possibilitando o progresso; a política e suas repúblicas democráticas; a científica e tecnológica capazes de fazer coisas inimagináveis para a funcionalidade e maior estimativa da vida; e a revolução do conhecimento que, por meio da informação, mediatiza homens e mulheres em todo o mundo, ao mesmo tempo e com enorme rapidez. 
Mas, o que falar a respeito da socialização e partilha de tantos avanços e conquistas incluindo os países orientais que compõem o globo terrestre? 
Há duas semanas uma parte do mundo que tem acesso à informação (ainda há muita exclusão do processo de conhecimento - infoexcluído) viu estarrecida as cenas de um avião americano decolando do Afeganistão para os EUA e cuspindo gente como se expele monóxido de carbono na atmosfera. 
As imagens exibidas chamavam a atenção em função da morte de seres humanos que, desesperados e sem quaisquer orientações, tentavam fugir daquele país dominado pelo Talibã. Mas também e, sobretudo, pela forma inesperada e atípica de violência: homens lançados como coisas de uma aeronave de última geração da maior potência bélica do mundo. 
Momentos medievais e desumanos de um mundo civilizado!
Espero que o Brasil cordial, em tempos de Independência, faça a opção pela humanização e solidariedade do seu povo, ainda que em tão desencantada ordem e progresso. 
Feliz Dia da Independência, Brasil!
 

Veja também