Mara Soares: “Fazer o bem sem olhar a quem”

Este é o propósito do “Varal Solidário” que a mosaicista estendeu em frente a sua casa para que as pessoas que precisam passem e peguem o que quiserem

PRUDENTE - OSLAINE SILVA

Data 31/01/2021
Horário 06:00
Foto: Roberto Kawasaki
Mara diz: “Não há dinheiro que pague a satisfação no olhar de uma pessoa que necessita de ajuda”
Mara diz: “Não há dinheiro que pague a satisfação no olhar de uma pessoa que necessita de ajuda”

“Fazer o bem sem olhar a quem”. Isto é o que a mosaicista Mara Soares vemfazendo há quatro dias ao estender o seu “Varal Solidário” em frente à sua casa, em Presidente Prudente, com roupas masculinas e femininas para que os necessitados que precisam e por ali passam diariamente peguem o que precisar.

E para que seu varal continue sempre cheio, ela vem por meio deste jornal diário pedir a colaboração de leitores. “Se você sentir no seu coração que pode contribuir com uma, duas, três ou quantas peças têm guardada [pode ser calçado também] e que não usa mais, faça isso. É gratificante ver a pessoa parando para pegar uma peça de roupa limpa, higienizada”, exclama a artista plástica.

Ela comenta que mora próximo ao terminal rodoviário e, por ali, passam todos os dias muitos pacientes do Hospital Psiquiátrico Bezerra de Menezes, onde ela estagiou por um ano e meio, e outros que muitas vezes precisam viajar para outras cidades.

Para Mara, é de fundamental importância que pessoas em situação de vulnerabilidade recebam ajuda dos que têm melhores condições. Ninguém precisa dar dinheiro, mas não custa oferecer um cafezinho de manhã, uma água quando a pessoa pede num dia de calor intenso. “Eu gostaria de poder dar pãezinhos junto com o café de manhã para eles. Mas, faço o que posso. E, enquanto eu puder continuarei doando. Não há dinheiro que pague a satisfação no olhar de uma pessoa que necessita de ajuda”, salienta Mara, feliz pelo sucesso que o varal vem fazendo.

Coração generoso

Mara diz que sempre gostou de ser voluntária e que vê hoje que o voluntariado em muitos lugares não bem o que parece se não mais para favorecer algumas partes. “Eu adoro e enquanto vou fazendo minhas peças, pinturas vou observando o varal. Se precisa repor reponho, se as peças que chegam precisam, ser lavadas, as coloco na máquina. Se vejo que vai chover, recolho, dobro... E assim o dia passa e eu me alegro a cada roupa ou calçado que se vai”, ressalta a mosaicista.

 

SERVIÇO
Quem se sentir tocado e desejar contribuir com o Varal Solidário de Mara Soares basta levar as roupas até sua casa à Rua Castro Alves, 619, Vila Miriam, em Presidente Prudente.

 

 

Veja também