Megaoperação fiscaliza postos de combustíveis na região

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 12/08/2020
Horário 10:32
Arquivo - Estabelecimentos irregulares terão a inscrição estadual cassada
Arquivo - Estabelecimentos irregulares terão a inscrição estadual cassada

A Secretaria de Fazenda Planejamento do Estado de São Paulo deflagrou hoje uma megaoperação De Olho na Bomba, que fiscaliza 171 postos de combustíveis espalhados por 80 municípios em todo o Estado de São Paulo. Na região de Presidente Prudente, os fiscais estão em oito estabelecimentos.

Além da capital do oeste paulista, as análises ocorrem em Álvares Machado, Caiabu, Dracena, Inúbia Paulista, João Ramalho, Panorama e Rancharia

No total, 300 agentes fiscais de rendas das 18 Delegacias Regionais Tributárias realizam a conferência dos dados cadastrais e a coleta de amostras para verificar a qualidade do combustível comercializado pelos estabelecimentos.

A ação conta com o apoio direto de agentes do DPPC (Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania), da Polícia Civil.

Critérios para escolhas dos alvos
Na seleção dos 171 alvos foram considerados os postos que apresentaram preço de venda de combustível em valores significativamente inferiores ao de aquisição ou que venderam combustível em volume superior ao adquirido.

Outro ponto identificado pelo Fisco são estabelecimentos que vendem combustível com preço abaixo do valor médio de mercado apurado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

A seleção dos alvos considerou também as denúncias de consumidores apontando possíveis irregularidades.​

As amostras de combustíveis coletadas durante a megaoperação serão encaminhadas à Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) para análise. Comprovada a comercialização em desconformidade com os parâmetros exigidos pela ANP, os estabelecimentos terão a inscrição estadual cassada e serão impedidos de operar.

de olho na bomba

Fraude volumétrica
Em 45 dos alvos, a ação conta com a colaboração do Ipem (Instituto de Pesos e Medidas) para constatar eventuais irregularidades nas bombas de abastecimento e fraude volumétrica na comercialização de combustíveis.

Nessas operações tem sido identificada a substituição de componentes da placa eletrônica das bombas em postos. O marcador da bomba medidora adulterada exibe uma quantidade de combustível maior do que a efetivamente injetada no tanque do veículo, causando prejuízo ao consumidor.

O posto de combustíveis que for flagrado comercializado produto desconforme ou por fraude metrológica terá sua inscrição estadual cassada e suas bombas lacradas, ficando impedido de exercer as atividades de comércio de combustíveis. Para evitar a recorrência da fraude, os sócios do estabelecimento ficam impedidos de atuar no ramo pelo prazo de cinco anos, conforme previsto nas Leis nº 11.929, de 12 de abril de 2005, e nº 16.416, de  11 de maio de 2017, regulamentadas pelas Portarias CAT 28/05 e 102/17, respectivamente.

SAIBA MAIS
Em todo o Estado de São Paulo já foram cassadas as inscrições estaduais de 800 postos que revendiam combustível fora das normas da Agência Nacional de Petróleo.A lista completa de postos de combustíveis cassados pode ser consultada no portal da Secretaria da Fazenda e Planejamento. Para denunciar posto suspeito de comercializar combustível adulterado, o contribuinte pode ligar para a Ouvidoria da Secretaria nos telefones (11) 3243-3676 e (11) 3243-3683 ou enviar um e-mail para ouvidoria@fazenda.sp.gov.br.

Veja também