Mocambo Groove abre nova edição do projeto Som Na Linha

Shows de música autoral serão transmitidos através do YouTube, com apoio da Lei Aldir Blanc, entre fevereiro e abril; primeiro ocorre neste domingo, às 20h 

VARIEDADES - DA REDAÇÃO

Data 11/02/2021
Horário 08:25
Foto: Divulgação/Gasalucinação
Banda apresenta composições que foram desenvolvidas ao longo de quase 11 anos de carreira
Banda apresenta composições que foram desenvolvidas ao longo de quase 11 anos de carreira

Em 2020, com a paralisação das atividades presenciais em decorrência da pandemia de Covid-19, os shows foram interrompidos, mas o projeto Som Na Linha manteve suas atividades através das plataformas digitais. Agora, com recursos do inciso III da Lei Aldir Blanc, voltado a coletivos com sedes públicas, serão realizadas até abril apresentações com artistas locais, no formato de lives, que serão transmitidas diretamente do Espaço Laje no Centro Cultural Matarazzo, através do canal do Som Na Linha no YouTube.
Nesta edição, que começa no domingo, a banda prudentina Mocambo Groove apresenta um pouco de sua bagagem musical através de composições que foram desenvolvidas ao longo de quase 11 anos desde sua formação. Com influências da música instrumental e música popular brasileira, as composições são marcadas pelo baião, maracatu, samba, ijexá, frevo e a sua mistura com rock, reggae e salsa, entre outros estilos que são experimentados e “lapidados” em busca do groove.
Em janeiro, o grupo lançou seu primeiro videoclipe, “Pontal”, canção de estreia de "Ziriguibaquefreveletrickdrum", álbum com 16 faixas autorais que serão lançadas ao longo do ano de 2021. O trabalho da banda pode ser conferido no Spotify e YouTube e claro, ao vivo, neste domingo. A apresentação ocorre às 20h, pelo canal do YouTube Som Na Linha (www.youtube.com/somnalinha).

Como surgiu o Som Na Linha

Sobre os trilhos desativados da Estrada de Ferro Sorocabana, nos fundos da antiga estação de trem de Presidente Prudente, o público ia chegando e se acomodando. Era junho de 2018, perto das 20h e alguma coisa, o clima fresco permitiu que se acendesse uma fogueira, tornando o ambiente ainda mais aconchegante. Pela tarde, um mutirão havia sido realizado para fazer uma limpa no local, castigado por anos de abandono e insegurança. Luz, som, cores. 
No palco, nada de cover, só música autoral, com raízes legítimas no oeste paulista. Assim nascia o projeto Som Na Linha, com a proposta de ocupar espaços públicos e realizar de forma totalmente independente shows de música autoral, de artistas da região, com acesso gratuito ao público.
Desde então, o coletivo que conduz a música autoral pelos trilhos do interior realizou 16 shows-espetáculos pela cidade e até festivais, sempre de forma colaborativa e com recursos próprios. Por esse vagão, passaram os mais diversos estilos e gêneros musicais: música brasileira, moda de viola, hardcore, rap, música eletroacústica, metal, rock progressivo, concerto de violão e até birutice sonora. 
Além de democratizar o acesso à arte em geral e fortalecer o trabalho de artistas locais, o projeto tem como objetivo ajudar a construir uma cultura de apreciação pela música nova, que geralmente esbarra na falta de espaço: “Qual o sabor do som que nunca tocou por aqui?”.


 

Veja também