No comando do 18º Batalhão da PM

Tenente-coronel Renata Fassina é a primeira mulher a estar à frente da corporação, sediada em Prudente

Jean Ramalho: Retorno para a família após 17 anos: “foi uma satisfação” Jean Ramalho: Retorno para a família após 17 anos: “foi uma satisfação” Imagem: Jean Ramalho: Retorno para a família após 17 anos: “foi uma satisfação”

Com o passar dos anos, as mulheres estão conquistando cada vez mais o espaço no mercado de trabalho, e na Segurança Pública não tem sido diferente. No 18º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior), sediado em Presidente Prudente, Renata Fassina, 45 anos, entrou para a história do batalhão como sendo a primeira mulher a exercer a função de comandante local. A nova empreitada foi anunciada na quinta-feira. “É uma satisfação enorme estar de volta à região e comandar o batalhão é uma sensação impar. Temos uma grande responsabilidade de manter e melhorar os números, pois já se trata de uma das regiões mais seguras do Estado”, diz.

Além disso, em dezembro, outra conquista marcou sua carreira: a patente de tenente-coronel. “Foi uma grata surpresa ter sido promovida por merecimento, coroando um ano bem intenso”, afirma Renata. E olha que não foi fácil chegar até aqui. Para ser oficial superior da Polícia Militar, é necessário o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, que ela concluiu em 2012. No ano passado, finalizou o Curso Superior de Polícia, que é um doutorado em Segurança Pública.

Mas a história da tenente-coronel na carreira militar começou já tem um bom tempo. Natural de Marília (SP) e mãe de dois filhos, Rafael e Gabriela, ingressou na Academia de Polícia Militar do Barro Branco em 1992. Na época, foi a primeira mulher da região a ingressar no curso de formação de oficiais. A iniciativa para estar na corporação, segundo Renata, surgiu quando cursava o ensino médio, após ver a divulgação sobre a academia na escola.

Em 1994, foi declarada Aspirante a Oficial e teve que deixar a família no interior do Estado para trabalhar na zona oeste de São Paulo.

ATUAÇÃO FEMININA NA POLÍCIA MILITAR DE SP

Foi na capital que Renata teve uma participação mais próxima das mulheres que seguem a carreira militar. Por lá, passou pelo Batalhão de Polícia Feminina, Comando de Policiamento Feminino e Corregedoria da PM. “Atualmente, somos aproximadamente 15% do efetivo da Polícia Militar, ocupando cargos em todos os postos e graduações, de soldado à coronel da instituição, e exercendo atividades em todas as áreas”, explica.

Em 2009, Renata voltou para a região onde passou pelo CPI-4 (Comando de Policiamento do Interior), em Bauru, 18º BPM/I, Presidente Prudente, 25º BPM/I, em Dracena, e 42º BPM/I, de Presidente Venceslau; tendo exercido funções de comandante de Companhia, chefe de UGE (Unidade Gestora Executiva), coordenador operacional e subcomandante de Batalhão.

Para Renata, o retorno para a família após 17 anos “[foi] uma satisfação”. Tamanha a garra da comandante, que ainda teve tempo para cursar duas graduações: Administração, pela Mackenzie, e Direito, pela Unip (Universidade Paulista).

Em nota, o 18º Batalhão da PM, em Prudente, parabeniza a tenente-coronel Renata Fassina pela nova conquista, e considera “a honra [de] recebê-la como a primeira mulher a assumir a função de comando da unidade em seus 53 anos de história, dando-lhe boas vindas e desejando sucesso”.


 

 

 

Veja também