Obras em atraso

GRAZIELA FERNANDES

COLUNA - GRAZIELA FERNANDES

Data 28/02/2021
Horário 03:55

Abrimos a coluna desta semana falando de obras em atraso ou paralisadas no Estado de São Paulo. O Tribunal de Contas do Estado divulgou nesta semana que são 111 o número de obras atrasadas ou paralisadas. O total, em valores contratados, ultrapassa a cifra de R$ 210 milhões aos cofres públicos. O levantamento, realizado pelo TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), abrange obras que envolvem recursos públicos – da União, do Estado ou recursos próprios – nos 644 municípios fiscalizados pela Corte (exceto a capital). Ao todo, são 1.141 obras atrasadas ou paralisadas, no valor total de R$ 46.528.167.728,76.

Desafio de novos prefeitos

Estas obras integram os desafios dos prefeitos que assumiram seus mandatos em janeiro deste ano. Atraso em repasse de verbas, conclusão de obras, queda das arrecadações de impostos, sem dúvida impactarão diretamente no cumprimento não só das promessas de campanhas, mas dos anseios dos gestores para suas cidades. Na lista do TCE-SP, está a obra de uma creche em Pirapozinho. Segundo o tribunal, a situação é atribuída ao atraso no repasse de convênios para sua conclusão. A obra está paralisada desde 12 de agosto de 2019, com contrato de R$ 1.814.114,14. Até o momento, foram pagos à construtora responsável pela obra pouco mais de R$ 280 mil.

Medidas restritivas em Tarabai

Na última terça-feira, o chefe do Executivo de Tarabai, José Roque, reuniu representantes do comércio, o presidente da Câmara, Abimael Oliveira, o vereador Marcio Roncolato, a secretária de Saúde, Eliana Rodrigues, a coordenadora Noeli Guilherme, Ani Caroline Cardoso e Paulo Doroteu, da Vigilância Sanitária. Em pauta, a preocupação do Executivo municipal com o avanço da Covid-19 e a implementação de medidas restritivas na cidade. Ainda durante a semana, o Conselho Tutelar da cidade emitiu comunicado alertando pais para evitar permitir que crianças e adolescentes circulem pela cidade ou mesmo frequentem praças, pista de skate e outros espaços públicos. A medida visa evitar aglomerações.

Monitoramento via drone

O delegado Rafael Galvão comunicou nas redes sociais que a Polícia Civil fará o monitoramento via drone nas cidades de Tarabai e Pirapozinho. Segundo o delegado, “o objetivo é combater aglomerações, superiores a 10 pessoas. Não é impedir reuniões familiares e de amigos, e sim grandes aglomerações neste momento crítico da pandemia”.

Apelo em Pirapozinho

O vice-prefeito de Pirapozinho, Lucas Padovan Santos Pavani, também por meio das redes sociais, pede a colaboração da população para evitar aglomerações. De acordo com Pavani, nesta semana dois pacientes de Pirapozinho foram transferidos para Ilha Solteira, por falta de vaga na região. A cidade conta um respirador que, de acordo com o vice-prefeito, não é o equipamento mais apropriado para auxílio da Covid-19 e ainda faltam componentes para auxiliar pacientes com a doença.

Capacitação em Narandiba

Professores da rede municipal de ensino participaram de uma capacitação para implantação de inovação no retorno das aulas. O Executivo investiu na aquisição de equipamentos como computadores, câmeras, microfones e internet nas salas de aula, para ajudar no ensino à distância. Segundo a Prefeitura, os equipamentos auxiliarão na transmissão das aulas em tempo real e ainda permitirão disponibilizar conteúdos no aplicativo Classroom para acesso dos alunos.

Monitoramento em Sandovalina

Em Sandovalina, o prefeito Chicão Mendes e a Polícia Militar estiveram reunidos para implantar sistema de monitoramento de segurança na cidade. De acordo com a Prefeitura, o objetivo é implantar um sistema integrado de câmeras para monitorar toda a cidade. Participaram da reunião os coronéis Fontolan e Saraiva (reserva), o capitão Domingues, o sargento Batista, e o vice-prefeito Marcos Mendes.

Veja também